Tempo estimado para leitura deste texto: 2 minutos

Carta Mensal

 

Cotia, 1º de dezembro de 2017

 

 

Caros amigos,

 

Em Março de 2010 escrevemos esta carta. Hoje, com as correrias de Black Friday e Natal e em plena crise, ela continua mais atual que nunca. Resolvemos reeditar.

 

Em 1968 a falência do atual modelo econômico foi anunciada pelo senador Robert Kennedy. Dizia ele que: “Em demasia e por tempo demais, parece que abandonamos a excelência e os valores da comunidade pelo mero acúmulo de bens materiais… O PIB não mede nem nossa esperteza nem nossa coragem, nem nossa sabedoria nem nosso aprendizado, nem nossa compaixão nem nossa devoção pelo nosso país. Ele mede tudo menos aquilo que faz a vida valer a pena”.

 

Estamos medindo o progresso de forma errada. Temos a ilusão que crescimento econômico é sinônimo de bem-estar e prosperidade.

 

Até mesmo o criador do PIB, Simon Kuznets, alertou há quarenta anos: “O bem-estar de uma nação raramente pode ser deduzido medindo-se a renda nacional”.

 

As atividades que degradam nossa qualidade de vida, como o crime, a poluição e o vício fazem a economia crescer. Trabalhar mais, perdendo as horas de lazer com a família, faz a economia crescer. Quanto mais árvores cortamos mais a economia cresce. A economia cresce mesmo que a pobreza e a desigualdade aumentem. A obesidade faz a economia crescer. Guerras estimulam a economia, catástrofes naturais também.

 

A reversão de um mito, de uma cultura, de um hábito é tarefa de cada um de nós. Não é tarefa para economistas, diretores de Banco Central ou ministros da economia. Somos nós, consumidores, quem fazemos, na ponta, a economia girar. Nós podemos reverter esse quadro.

 

Também o Projeto Âncora trabalha contra esse mito que confunde bem-estar e crescimento econômico, e luta contra o consumo desnecessário e maléfico a toda a comunidade de vida do planeta.

 

Vamos mudar para continuar existindo e para construir um mundo saudável.

 

Boas festas!

 

 

Regina Machado Steurer

Conselheira Projeto Âncora

 

P.S.: Relembramos que até 29/12 é possível ainda fazer os repasses do Imposto de Renda para o Âncora.