Tempo estimado para leitura deste texto: 3 minutos

 

Projeto Âncora participa de projeto de incentivo à ciência que levará à NASA um experimento feito por estudantes brasileiros.

 

Como ocorre a cicatrização no espaço? Um ovo de aranha será chocado sem gravidade? Hidroponia funciona no espaço? Qual o comportamento do hidrogênio líquido na micro gravidade? Estes são alguns dos questionamentos levantados pelas crianças que estão participando da missão Garatéa de incentivo à ciência.

Pela primeira vez no Brasil a “Student Spaceflight Experiments Program” (SSEP), iniciativa do governo americano que estimula experimentos educacionais sobre o tema, por meio do Garatéa desenvolveu 75 projetos dos quais 10 foram selecionados e três finalmente escolhidos, por uma banca de avaliadores externos e pesquisadores universitários, para serem enviados à NASA. O projeto eleito foi o  “Cimento Espacial” que será lançado ao espaço pela ISS (Estação Espacial Iternacional).  A bordo da ISS, será executada por um astronauta e, depois de quatro a seis semanas, será trazida de volta à Terra para análise dos resultados.

A educanda do Âncora, Sofia Palma, é integrante do grupo eleito e se tudo corroborar, irá com uma educadora se unir a comitiva que representará o Brasil em junho de 2018 nesta Missão. Para que seja uma “missão” cumprida precisamos captar cerca de R$20.000 para viabilizarmos a ida de Sofia e da bióloga e educadora do Projeto Âncora, Patricia Sousa. Várias ações estão sendo realizadas: Rifas, vendas de brigadeiro, palestras em empresas, para que o valor seja arrecado. “O Grupo de Responsabilidade do laboratório está todo empenhado para que Sofia represente o Brasil. Todo mundo ajudando, está lindo de ver”; observa Patricia.

 

Captura De Tela 2017 12 15 As 07 49 24

 

Por 3 meses 345 estudantes estiveram envolvidos no processo. O Projeto Âncora com 15 educandos, colégio Dante Alighieri com 300 alunos, EMEF Perimetral em Paraisópolis com 15 estudantes, todos de 11 a 13 anos. O Âncora foi indicado para o Garatéa pela assessoria do vice-prefeito de Cotia, Almir Rodrigues, que junto à Secretaria de Educação do Município, viabilizou o transporte às atividades.

 

A missão veio ao Brasil por meio do engenheiro espacial Lucas Fonseca (30 anos), formado em engenharia mecatrônica pela USP que sonhava trabalhar com engenharia espacial. Seu mestrado nessa área foi no Institut Supérieur de l’Aéronautique et de l’Espace, na França. Seu projeto de mestrado foi sobre a missão da sonda Rosetta, e a partir daí ele foi convidado para trabalhar na agência espacial alemã. A missão Rosetta envolveu 6000 cientistas de todo o mundo e apenas Lucas não era europeu. Esta experiência despertou no cientista a necessidade de fomentar a ciência espacial em seu próprio país.

O congresso internacional cientifico que reunirá cerca de 44 equipes mirins do Brasil, América do Norte e Europa no Smithsonian Nacional Air Space Museum em Washington, D.C., Estados Unidos, que mantém a maior coleção de aeronaves e naves espaciais de todo o mundo. Neste congresso as equipes verão seus trabalhos expostos. Também há possibilidade de acompanharem o lançamento, no segundo semestre de 2018, mas só poderá acontecer se houver apoio financeiro

O Garatéa impacta o aprendizado prático da ciência, voltado a autonomia dos estudantes, trazendo a temática científica para a vida dos nossos jovens.

Para colaborar com Sofia, acesse este  link agora, ou se preferir pode fazer uma transferência, colocando na sua doação mais 10 centavos para identificarmos o depósito. Dá uma olhada no vídeo.

Banco Itaú – 

Agência: 3218

Conta Corrente:00970-6

Banco Bradesco

Agência: 238

Conta Corrente: 5239-6

 

                                                      

 

Para saber mais:

http://www.garatea.space/

https://airandspace.si.edu/

Informações:

anapaula@projetoancora.org.br /

https://www.projetoancora.org.br

11 4612 99 66 / 11 99913 87 20