Tempo estimado para leitura deste texto: 58 minutos

3 Nave

ilustração: Malusco

Relatório 2016/2017

Âncora na nave

A aprendizagem começa com um movimento interno

Somos educadores. E, como educadores, é impossível acreditar que não é possível. Para chegar lá é preciso ousadia e coragem para desbravar universos e contextos cada vez mais complexos nos quais estamos inseridos hoje.

Experimentar, errar e acertar, evoluir e se lançar na confiança do mundo atual e do mundo que estamos construindo. Ousar por terras nunca antes visitadas e mediar a aprendizagem dos jovens e crianças é uma grande oportunidade para fortalecer vínculos na aprendizagem mútua.

Nossa nave circo transporta uma âncora, a velocidade é cuidadosa, as assembleias são soberanas, e a força do grupo e do consenso é construída no dia a dia. De 2014 a 2017, fizemos muito, ampliamos nosso olhar e nossa atuação como educadores. Cuidamos da aprendizagem sistêmica, holística e responsável: da alimentação, da consciência das crianças como cidadãos, da construção de seres políticos, artísticos, sonhadores e responsáveis.

 

 

Na nossa verdade, a melhor ferramenta para o

desenvolvimento social e humano é a educação para o futuro.

 

Por meio dela (trans) formamos seres humanos para mergulharem dentro deles, olhando ao outro, visando o coletivo e atentos a tudo que faça refletir, com saúde, resiliência, tecnologia, arte, pesquisa e atualidade. Nosso rumo é uma matriz de valores guiada pela responsabilidade, solidariedade, respeito, afetividade e honestidade!

Nossa nave é uma comunidade de aprendizagem sem fronteiras e em constante mutação.

Visamos a um ideal de Educação: aprender no convívio com os outros. Somos mediadores da aprendizagem.

Não há hierarquia entre mestres e discípulos.  Na nave, o aprender se faz junto, na troca de experiências, de ideias, de gostos e de sonhos.

Temos como meta o desenvolvimento da autonomia – a do educando e a dos educadores – na formação de Comunidades de Aprendizagem

 

 

 

Saiba um pouco do que colhemos:

  • Recebemos a visita de cerca de 11.000 educadores nos programas de Transformação Vivencial;
  • Participamos do episódio de estreia da série do canal Futura, que mapeou 12 escolas inovadoras do mundo;
  • Fomos citadas entre as 178 Inovadoras e Criativas escolas mapeadas pelo MEC;
    • Nossas crianças e jovens deram mais de 20 palestras em instituições no Brasil e em Portugal;
    • O curso online “Fazer a Ponte no Brasil” teve mais de 2.000 inscrições;
  • Reduzimos 80% do açúcar usado em nossa alimentação;
    •10% das hortaliças que consumimos é plantada por nós.
  • incluir mais itens

 

Voamos profundo e convidamos todos a virem conosco promover mudanças estruturais neste mundo em transição.

 

 

Lançamento da Nave: Primavera de 1995

Um próspero e visionário empreendedor do turismo, Walter Steurer (1940-2010), conheceu sua segunda mulher, Regina Machado, arquiteta e urbanista, ligada aos movimentos sociais e à arquitetura de espaços sagrados. Deste encontro amoroso nasce, em 1995, o Projeto Âncora, localizado na periferia de Cotia, divisa com Carapicuíba, Osasco, Embu e São Paulo.

O primeiro equipamento foi o circo, a nave mágica. A partir deste coração, os 12.000 m² de terreno, são ocupados com 9.550 m² de instalações, com 3 cozinhas, prédios, refeitório, biblioteca, lavanderia, alamedas, hospedaria para até seis pessoas, salas de música, dança e vídeo, laboratório de ciências, pista de skate, quadra coberta, hortas e o circo-nave-coração. Todos esses espaços, internos ou externos, naturais ou construídos, são utilizados como locais de incentivo à aprendizagem.

 

A “Cidade Âncora”, projetada por Regina Machado é apresentada, desde a fundação, como uma instituição progressista preocupada em promover a emancipação humana e ampliar os horizontes de cerca de 6000 pessoas já atendidas diretamente desde 1996, ano em que as atividades iniciaram.

Até 2012, o Âncora atendia o contraturno escolar e oferecia oficinas, cursos profissionalizantes, creche e Encontros de Educação. Por ali passaram nomes como Mario Sergio Cortella, Frei Betto e o definitivo professor José Pacheco, fundador da Escola da Ponte, em Portugal, e referência mundial de Educação no século 21. O professor Pacheco trouxe a possibilidade do antigo sonho do casal de ampliar a atuação da ONG para uma escola de ensino formal, mas nada convencional. O antigo sonho foi realizado: a Escola Projeto Âncora nasceu em 2012, logo após o falecimento de Walter Steurer. Ele morreu e renasceu como escola, dizem os mais espiritualmente poéticos.

Por meio dessa união de ser particular e gratuita, somada ao trabalho já exercido na instituição, tornou-se possível orientar integralmente jovens e crianças, através do centro de educação infantil, ensino fundamental I e II, ensino médio, além das diversas oficinas e dinâmicas que envolvem atividades físicas, arte, cultura, yoga, meditação, psicologia, nutrição, música, dança, culinária, marcenaria, mediação de conflitos, formação política, saídas pedagógicas e desenvolvimento humano.

 

Residir em um raio de até 3 km da sede, ter uma renda familiar de 3 salários mínimos, estar inscrito no serviço municipal de assistência social de Cotia e aguardar uma fila generosa, além de critérios de engajamento familiar na escola, são os requisitos necessários para ingressar no Projeto Âncora em período integral. Atualmente atendemos 180 crianças diretamente, de 4 a 17 anos. Esta é nossa Comunidade de Aprendizagem Matriz.

 

Constelação Pedagógica

Em nosso território, crianças começam o dia em roda se planejando com as atividades que fazem sentido na construção de seu próprio conhecimento. Elas são protagonistas de seus roteiros, dos seus grupos de responsabilidades, de seu tempo para realização de cada projeto, do que consome, da construção de seus laços afetivos, da resolução de pequenos conflitos cotidianos e também da sua autoavaliação ao final de cada ciclo.

Jovens lançados na corda bamba das relações, voam pelo trapézio da autonomia, equilibrando os malabares das superações. DESTAQUE

A Nave Âncora pousa em qualquer canto que gere conhecimento e propósito. Assim, as praças são salas de estar e também espaços de aprendizagem e biblioteca.

A nave é pilotada por pais empreendedores e participativos, professores, cozinheiros, mestres, tutores, amigos.

As grades curriculares estão organizadas em diagramas mais flexíveis. As aulas foram substituídas por vivências, e mesmo assim cumprimos os currículos do MEC para o Ensino Fundamental 1 e 2 e para o Ensino Médio, com altas taxas de frequência, assiduidade e elevada autoestima.

 

Núcleos de Projetos

Visamos um ideal de educação: aprender no convívio com os outros. Somos mediadores da aprendizagem. Temos como meta o desenvolvimento da autonomia – a do educando e a dos educadores – na formação de Comunidades de Aprendizagem.

Organização das crianças em núcleos de acordo com seu grau de autonomia. São unidades coerentes de aprendizagem e desenvolvimento pessoal e social. Não é uma distribuição dos educandos em espaços específicos, mas um processo que garante o contato e a vivência deles em um conjunto de dispositivos que auxiliam seu caminhar. Os educandos transitam pelos núcleos de acordo com sua autonomia, pois o desenvolvimento de cada um é avaliado individualmente e cada educando precisa estar no Núcleo que o atenderá melhor em suas necessidades, independentemente da idade ou da série em que estaria matriculado na escola tradicional.

  • Núcleo da Iniciação: todo educando que chega no Projeto entra no núcleo da Iniciação e neste núcleo irá aprender combinados básicos, a importância dos valores, inclusive o processo de construção coletiva destes, e avançar no desenvolvimento da autonomia. Na iniciação também se dá o processo de alfabetização e realização das quatro operações. Sem estas chaves não é possível dar o próximo salto.

 

  • Núcleo do Desenvolvimento: neste núcleo crianças e adolescentes organizam seus roteiros e, com autonomia, cumprem seus compromissos.
  • Núcleo do Aprofundamento: no aprofundamento estão os jovens com maior autonomia. Além de cumprir seus roteiros e terem introjetado os valores do Projeto, também conseguem auxiliar os outros a alcançarem estes objetivos.

 

 

Comunidades de Aprendizagem:

A formação de Comunidades de Aprendizagem é parte de nossa “cosmologia”. É nela em que fundamentamos a construção de uma Educação que dialoga estreitamente com os conceitos de Território Educativo, Bairro Escola e Cidade Educadora. Uma prática que diz respeito a projetos educativos que extrapolam os limites da escola, numa proposta de transformação social e cultural que envolve todos os tripulantes da sociedade. Trata-se de um projeto educativo como ato coletivo, sempre considerando o quadro de um projeto local de desenvolvimento.

AFAPA:

Temos, atualmente, iniciada a organização da AFAPA – Associação de Famílias e Amigos do Projeto Âncora. Famílias mais engajadas e conscientes de que a escola não deve ser pensada “para elas”, mas, sim, “com elas”. Rompemos os ditos “horários de funcionamento” para dar espaço e condições para a ativa participação da comunidade no processo de construção da escola que acreditamos. Organizam grupos de apoio aos trabalhos operacionais, fazem eventos, praticam voluntariado, participam da assembleia em que são discutidos e encaminhados propostas e consensos sobre os diversos assuntos, como financeiros, administrativos, operacionais e pedagógicos.

Circo:

Circular, democrático, generoso e colaborativo, o circo foi a primeira estrutura do Projeto Âncora. Assim como um coração pulsante guardião de uma essência. Um lugar de equilíbrio, desequilíbrio, altos e baixos, riscos, frustrações e conquistas.  No picadeiro as crianças, jovens e ex-alunos são tutorados pela artista circense Penha Cerícola Vaz, que está no Âncora desde 1996:  “Usar a arte como ferramenta de educação. Nos treinos, elas aprendem a trabalhar em equipe, confiar e respeitar o colega”, observa Penha.

No circo também acontecem os espetáculos, reuniões maiores, assembleias e celebrações, comportando cerca de 300 pessoas. Cada vez mais nos aproximamos da formação de um Centro Cultural Comunitário em nosso Circo-Nave-Coração.

Dedo do silêncio e mão da fala:

Alguns signos são usados para organização dos espaços e das atividades. Quando se levanta o dedo, é pedido de silêncio. Quando se levanta a palma da mão, é um pedido de fala.

Mediações de conflitos:

Não temos nenhuma atividade dinâmica específica para que os educandos exercitem as relações interpessoais. O exercício de um melhor relacionamento e resolução de conflito se dá no dia a dia e com transparência. Priorizamos isso em detrimento de qualquer outra coisa. Em qualquer conflito que ocorra, ajudamos os educandos a se acalmarem e conversarem sobre o que aconteceu, ouvindo o ponto de vista do colega e colocando o seu. Sempre buscando falar com e não falar de.

Plataforma de Aprendizagem:

 

O interessante do nosso espaço virtual é que não o concebemos como uma plataforma de “ensino”, mas sim de “aprendizagem”, pois há um conceito de troca de informações e descobertas conjuntas, desfazendo o caráter hierarquizado que o ensino tradicional ainda tem dificuldade em romper. Ainda estamos trabalhando para sua utilização em toda a sua potencialidade, mas já caminhamos bastante.

Esta plataforma foi desenvolvida por 3 anos por uma empresa parceira, chamada Caiena. Este ambiente virtual permite que troquemos informações com educandos e famílias, sobre o Serviço de Assistência Social e Fortalecimento de Vínculos, sobre os projetos e pesquisas, inserindo fontes e nossas contínuas avaliações. Na plataforma também temos o ambiente dos Grupos de Responsabilidade, onde disponibilizamos para toda a comunidade escolar os combinados e propostas.

 

Segue o link para o vídeo feito para a ocasião do lançamento https://www.youtube.com/watch?v=_CgcFJXBh3o

 

 

Dispositivos de Aprendizagem

 

“Se não há aulas, apostilas, séries e provas, como estas crianças aprendem?”, pergunta frequente aos tripulantes.

Usamos uma tecnologia em constante desenvolvimento por nós e por toda a Comunidade de Aprendizagem que coopera conosco.  São suportes pedagógicos que auxiliam nas relações educador/educando e educando/educandos, possibilitando o exercício da reflexão, da autonomia e do engajamento coletivo. São eles que viabilizam e garantem a aprendizagem e a avaliação, na evolução de cada educando, individual e comunitariamente.

 

PLANEJAMENTO: Organização pessoal e coletiva

Todos os dias, as crianças realizam o planejamento do dia. Chegam na escola entre 7h e 7h58, para que às 8h comecem o dia a partir de um planejamento prévio, por elas construído.  Consideram as oficinas em que estão inscritas, encontros com colegas para estudos e pesquisas, encontros com seu tutor, participação em algum grupo de responsabilidade, brincadeiras, jogos, atividades na sua comunidade, refeições e outras atividades, em um exercício diário de gerenciamento do tempo.

 

 

PESQUISA: Tecnologia a favor da educação

 

Para o cumprimento do roteiro, os educandos têm como parâmetro: livros, pesquisas na internet, saídas pedagógicas, além da ajuda dos educadores e de colegas educandos. Ao realizarem suas pesquisas, os educandos aprendem a organizar textos em tópicos, a descrever e enumerar elementos, a registrar o que pesquisaram em várias fontes. Ao final, compartilham o que aprenderam.

 

OFICINAS: Ampliar o repertório

Há uma diversidade de oficinas que auxiliam o desenvolvimento do educando de forma integrada. Elas propõem a melhoraria do repertório motor, emocional e psicológico. Yoga, prática de banda, circo, Bate Coração, corpo humano, atelier de artes, futsal, jogos dramáticos, skate, contação de histórias, meditação, entre outras, que vão e vêm na construção de uma cultura corporal de movimento como linguagem, como forma de comunicação e interação social, expressão de afetos e emoções. Atividades físicas, musicais, terapêuticas e lúdicas ampliam, cada vez mais, a percepção do educando a respeito de si e do mundo.

GRUPO DE RESPONSABILIDADE: Temos um problema

 

A problematização é uma fantástica forma de aprender na prática. Os grupos de responsabilidade nascem de alguma questão que precisa ser resolvida e, em assembleia, são escolhidos os membros que participarão das comissões que se tornarão Grupos de Responsabilidade. O desenvolvimento de tarefas executadas pela inteligência coletiva alcança soluções amplas para problemas comuns.

Alimentação, Assembleia, Atelier, Biblioteca, Bullying, Celular, Comunicação, Água, Horta, Manutenção, Tecnologia, Eventos, Visitas, Materiais Coletivos e Materiais Esportivos, são os GRs ativos.

 

ROTEIRO DE ESTUDO: A escolha de aprender

Na inversão da lógica do ensino tradicional, a Escola Projeto Âncora parte do Roteiro de Estudos para que a aprendizagem seja significativa. Por meio deles conseguimos alcançar o currículo nacional sem ter partido dele.  Com orientação do tutor, o educando escolhe o que estudar no período de uma semana, ou quinzena, e monta seu roteiro. Diariamente, ao chegar ao Projeto Âncora, o educando faz seu planejamento diário, com a gestão do tempo, espaços e conteúdos a cumprir.

 

Data: 12/03/2018 (segunda-feira)

7:20 Chegada ao Âncora

7:35 Planejamento do dia

8:00 Energias renováveis e não renováveis (estudo)

8:50 Leitura do livro “A sétima cela”

9:15 Lanchar

9:35 Continuar a leitura do livro “A sétima cela”

10:00 Reunião do grupo de responsabilidade “Laboratório”

10:40 Organizar o laboratório com o grupo

11: 30 Almoçar

12:00 Assuntos da secretaria-jovem aprendiz

13:30 Reunião com o grupo Aprofundamento

14:30 Lanchar/Descansar

15:00 Acompanhar os alunos da escola Santa Cruz, na vivência que estão fazendo conosco-jovem aprendiz

17:00 Participar do conselho de projeto

18:30 Preparar para ir embora

 

ASSEMBLEIA – Seres políticos

 

Por meio das assembleias as crianças discutem os acontecimentos referentes ao cotidiano escolar, encontrando soluções, colocando necessidades, percepções e desenvolvendo questionamentos para as situações vividas. As regras da Escola decorrem do que é refletido e aprovado pela Assembleia, e por serem construídas coletivamente, as regras são chamadas de combinados. Somente quando há consenso é que os educandos cumprem o que decidiram.

Membros do GR da Assembleia fazem parte das reuniões de diretoria e da assembleia dos educadores.

 

RODA DE CONVERSA – Aprender a se posicionar

 

Momentos em que todas as crianças envolvidas em uma atividade ou uma situação conflituosa sentam em roda. Desta maneira, todas podem se ver. Combina-se um jeito de organizar as falas e as escutas. Os problemas, impasses, desafios que aparecem no dia a dia são colocados na roda com as pessoas envolvidas.

AVALIAÇÕES: Autoconhecimento e responsabilidade

A avaliação praticada no Âncora é do tipo formativa, contínua e sistemática. O que é priorizado no processo é a própria aprendizagem de cada educando, o seu desenvolvimento cognitivo e comportamental, que demandas e dificuldades apresenta, e como pode superá-las. A partir da autoavaliação do próprio educando, da tutoria e do contato com outros educadores que acompanham aquele estudante, reúne-se as informações de todo o percurso do estudante para escrever o relatório.  A proposta é avaliar o avanço da aprendizagem e sua correlação com conhecimentos objetivados pelo Plano Curricular Nacional, e também o currículo subjetivo de cada estudante.

 

BRINCAR – A seriedade do brincar

A construção de saberes e significados também ocorre por meio das brincadeiras, sobretudo as que envolvem a imaginação. Ao brincar de faz-de-conta, as crianças se vestem como, falam como, enfim, encenam tudo aquilo que enfatiza suas relações. O que, na vida real, passa despercebido pela criança torna-se uma regra de comportamento na brincadeira. As maiores aquisições de uma criança no estabelecimento e construção de regras são conseguidas na brincadeira, aquisições que no futuro se tornarão seu nível básico de ação real e moralidade.

 

Do Universo em Cotia ao Multiverso

A instituição se multiplicando por meio da inspiração

Cursos, formações, imersões e (Trans) Formações

 

 

A crescente procura de educadores para conhecerem as práticas inovadoras de educação promovidas pelo Âncora fez a entidade despertar para a multiplicação de seus saberes e fazeres. O Programa de Transformação Vivencial oferece vivencias e imersões para que educadores do Brasil e do Mundo, usem todos os seus sentidos para se inspirarem na maneira de fazer educação do Âncora e assim construírem à sua maneira aplicada em sua própria instituição, seja ela de ensino, empresarial, familiar ou governamental.

Se você já conhece o Âncora, a dica é ir revisitar, já não somos mais os mesmos. Nossa reinvenção é diária.

 

Há várias formas de fazer parte deste projeto: a visita, a imersão de um dia, a vivência transformadora, assessoria, palestras e cursos:

 

  • Visita: nessa modalidade, a pessoa interessada pode ter o primeiro contato com o espaço, a organização pedagógica e a Escola Projeto Âncora. A visita é guiada por um educando do Grupo de Responsabilidade das Visitas, seguido de roda de conversa. Ocorre às terças-feiras, das 9h30 às 12h00;

 

  • Imersão de um dia: O visitante terá a possibilidade de vivenciar junto com os educadores e educandos as atividades pedagógicas na escola e, ao final do dia, integrar uma roda de conversa ministrada por um dos educadores; esta visita ocorre das 08h30 às 16h00, sendo necessário o agendamento. Pode participar um grupo de no máximo 15 pessoas;

 

  • Vivência transformadora: Durante uma semana, os participantes têm a possibilidade de se envolver nas atividades do projeto, acompanhando a dinâmica dos trabalhos na escola e integrando as reuniões com educadores para reflexão e esclarecimento de dúvidas. No investimento da vivência está incluso: atendimento, alimentação e pouso em nossa hospedaria;

 

Witon Jr. é professor de linguística e formação docente na Universidade Federal de Goiás. Passou conosco a imersão de cinco dias da Transformação Vivencial e tocado escreveu este poema:

Âncora teu coração, viajante,
No movimento da Vida,
Na simplicidade das coisas complexas
E silenciosamente ergue tua mão
Sorri e fala de ti.

Iça as velas
O circo tem espetáculo!
E o tempo será o nosso tempo
Construído na cumplicidade dos nossos olhares
Na escuta sincera das diferenças
Desmuralhando as ideias,
E no afeto
Pelo Afeto
Ser outro novo e novamente

Levanta a Âncora, viajante
A nau segue a encontrar novas ilhas
E congregar outras vidas.
Ergue tua mão,
Sorri e fala de ti.
Wilton Jr. 13/04/2017

 

 

 

  • Assessoria: a Escola Projeto Âncora se baseia no “fazer com e não para” e, para isto, promove uma rede de apoio e compartilhamento de experiências com as instituições educacionais interessadas. Construída com um diagnóstico inicial feito pela equipe da ONG e a instituição, tem como algumas de suas estratégias a vivência de um dia, a vivência semanal, trocas de e-mails, Skype, WhatsApp, indicações de leituras e visita à entidade, tudo isto baseado na necessidade de cada entidade;

 

  • Palestras: educadores e educandos se disponibilizam para compartilhar o que fazem e tirar dúvidas sobre o projeto por todo o Brasil. Cerca de 30 palestras e rodas de conversa foram realizadas neste período e um grupo de educandos também se envolvem nas atividades falando publicamente sobre a Instituição.

 

OLHO: COM O CÉREBRO FORMIGANDO

– Vive-se um ano em um dia.- declara Ana Claudia Navarro enquanto lava shitakes.
– Pois é. Aqui o tempo é visto de forma diferente. E nem por isto o objetivo de aprendizagem não é alcançado. – diz Daniellli Gross
– A qualidade toma lugar da quantidade – observa Viviane Deslandes, colocando a água do macarrão para ferver.
O educando Kauã ajudou a cortar cebolas e participou de tudo.

Este triálogo foi escutado na hospedaria do Âncora, numa noite da imersão de “Transformação Vivencial”, que as educadoras da Escola Trilhas em Curitiba participaram. Vivenciar 24h de práticas e reflexões é algo que mexe profundamente com os paradigmas.

 

 

Cursos:

 

  • Fazer a Ponte no Brasil

Foi iniciado por meio da união das experiências do professor, consultor e palestrante José Pacheco, dos educadores do Projeto e da coordenação digital do professor Wilson Azevedo Marques. O curso oferece a oportunidade de se conhecer melhor a Escola Projeto Âncora.

É inteiramente online, dura 15 dias úteis, tem 30 horas-aula e promove a interação entre diversas comunidades de aprendizagem virtual e colaborativa. Os integrantes do curso são incluídos via e-mail, com interface web para discussão de ideias.

 

Instituto Singularidades

 

O projeto Âncora e o Instituto Singularidades ofereceram, em uma parceria inédita, no primeiro semestre de 2017, o curso de extensão “Autonomia na Construção da Prática Educativa”. Nessa parceria, o Projeto Âncora, como um espaço de aprendizagem, prática e de multiplicação da cidadania no âmbito da Educação Básica, e o Instituto Singularidades, que tem como valor a  ressignificação  do papel essencial do professor e da educação na sociedade, se uniram para discutir o papel da autonomia na educação.

 

 

 

 

Transforme a si mesmo e assim transforme a educação

 

 

 

 

 

 

Destaques na nave

 

Fazer “Com” e não fazer “Para” é um dos princípios da aprendizagem sistêmica que nos propomos em nossas abordagens educacionais. Ao longo da história, alguns formatos e experiências se destacaram por sua capacidade de mobilizar parcerias relevantes e propor novos modos de acessar, interpretar e aplicar conhecimento, sendo os educadores mediadores deste conhecimento.

 

 

 

 

100 melhores ONG´s

 

Nós e outras 99 organizações foram reconhecidas como as melhores ONGs do Brasil, nas áreas de transparência, eficiência e gestão. Trata-se da primeira edição da #melhoresOngs, com 1560 instituições inscritas. Uma iniciativa do Instituto Doar e da Revista Época. A premiação já nasce com êxito. São mais de 300 mil ONGs no Brasil. Entre associações de caridade, organizações da sociedade civil, institutos e fundações filantrópicas, estar entre as 100 é um reconhecimento que nos fortalece no trabalho de Educação a serviço do desenvolvimento social: Saiba mais

 

Entre as 178 mapeadas e reconhecidas pelo MEC

 

A Escola formal e nada tradicional Projeto Âncora foi reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura) como um dos 178 projetos de Educação inovadores e criativos no Brasil, mapeados em 2015.

Alguns processos sociais que se acentuaram nas últimas décadas implicam necessidade de mudanças significativas no campo da educação. O primeiro destes processos é o desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação que facilitam o autoaprendizado, a formação de comunidades de aprendizagem e de redes e a produção de conhecimento em diversos suportes a custos muito baixos. As pessoas de todas as idades, inclusive as crianças, têm hoje condições de realizar pesquisas sobre assuntos de seu interesse, discuti-los com outros mais velhos, mais jovens ou da mesma idade, pessoas que vivem próximas ou do outro lado do planeta. As pessoas também podem – e frequentemente o fazem – produzir artigos, revistas, sites, vídeos, fotografias, filmes, programas de rádio com bastante facilidade e atingir um público relativamente amplo. A forma do aluno passivo, sentado, durante horas por dia, em uma carteira, apenas recebendo aulas, não dialoga com esta nova realidade do campo da comunicação. Trecho retirado do site sobre a iniciativa seleção MEC.

 

 

Rumo à NASA

 

A Missão Garatéa é uma iniciativa de incentivo à ciência em parceria com a NASA (agência espacial dos E.U.A), por meio do “Student Spaceflight Experiments Program” (SSEP), iniciativa do governo americano que estimula experimentos educacionais sobre o tema.

 

Foram convidados 15 estudantes do Âncora, 15 de uma escola pública e 300 de uma escola particular. 75 projetos foram desenvolvidos pelos alunos, 10 foram selecionados por uma banca de avaliadores externos e pesquisadores (estávamos em 6 deles) e três foram enviados à NASA, que finalmente elegeu o projeto “Cimento Espacial”, lançado ao espaço pela Estação Espacial Internacional.

 

Sofia Reis (12 anos), nossa representante, fez parte do grupo eleito e apresentou o projeto no congresso realizado no Museu Smithsonian, em Washington DC, nos dias 28 e 29 de junho de 2018. Estavam reunidos e expostos todos os projetos selecionados dos três países participantes: Canadá, EUA e o Brasil. Essa foi a primeira participação do nosso país no programa do Centro Nacional para Educação Científica para Terra e Espaço (NCESSE). Após 6 meses de muito esforço para captação de recursos financeiros, e graças à visionária Fundação Salvador Arena, a Meissen Produtos Naturais e as centenas de pessoas que compraram brigadeiros, sorvetes, camisetas e cadernos artesanais,  conseguimos viabilizar esta viagem. O engajamento de todos foi fundamental para realizarmos este feito. Só temos a agradecer!

 

 

Destino: Educação – Escolas Inovadoras

O Projeto Âncora foi reportado na série documental da Tv Futura, Destino: Educação-Escolas inovadoras, como uma das doze instituições de ensino espalhadas pelo mundo e inseridas na reinvenção das práticas pedagógicas. O Projeto Âncora foi a pauta de estreia da série que foi ao ar em 2016. Veja na íntegra: Destino: Educação – Escolas Inovadoras. 

Os episódios ganharam uma versão escrita livre para fazer download: Publicação Escolas inovadoras

 

InnoveEdu: Escolas “alterativas pelo mundo”

 

Somos uma das iniciativas mapeadas numa lista de 96 experiências educacionais pelo mundo que apresentam soluções para demandas do século 21, com curadoria em 4 países. Porvir (Brasil), Edsurge (Estados Unidos), Innovation Unit (Reino Unido) e WISE (Catar). Para saber mais acesse: http://innoveedu.org/

 

 

 

Nave aporta em Portugal – Projeto Intercâmbio

 

O Projeto Âncora realizou seu primeiro Intercâmbio, concretizado em setembro de 2017. Dezoito pessoas, entre educandos, pais e educadores tiveram a oportunidade de partir para uma comunidade sustentável no sul de Portugal, que é a Tamera. Eles ficaram três semanas no velho continente desfrutando de experiências que a comunidade fornecia, como práticas sustentáveis, rodas de conversa e aprendizados do respeito às relações humanas.

A jornada começou numa outra viagem. “Parece que foi ontem, mas foi em setembro de 2015 que recebemos pela primeira vez o contato dos amigos da Escola da Esperança / Tamera (Portugal), dizendo que gostariam de conhecer uma escola diferente como o Âncora, para transformar sua própria escola, e que, portanto, viriam ao Brasil. Ao mesmo tempo, nós aqui no Âncora, ficamos felizes e “surpresos” com a coincidência, pois estávamos justamente num momento de listar todas as vontades da nossa escola dos sonhos (nós, educadores, e as 20 crianças que então compunham o Núcleo do Desenvolvimento), e um desses sonhos era o de realizar um intercâmbio! Pronto: a partir daí, estava estabelecido um laço afetivo e um projeto que não sabíamos ainda quão profundo, intenso e rico seria… Era o início de despretensiosas amizades, uma união que se fez a partir da vontade comum de contribuir na construção de um mundo mais justo por meio da educação.” Texto de Caroline Florêncio, ex-educadora e parceira do Projeto.

Os jovens da Escola da Esperança conseguiram vir realizar a primeira parte do intercâmbio, em fevereiro de 2016, alimentando nosso sonho de também ir até eles. Foram dois anos de captação de recursos, vitórias e desafios, mas deu certo e os objetivos pedagógicos foram consolidados:

  • aprender sobre sustentabilidade para aplicar no Brasil;

 

  • conhecer e desenvolver relações humanas afetivas;

 

  • conhecer a Escola da Ponte;

 

  • finalizar o intercâmbio.

 

O grupo viajou à Europa dia 29 de setembro, e retornou ao Brasil em 21 de outubro de 2017, com a certeza de quando um grupo sonha junto e se organiza, nada é impossível!

 

Pomba da Paz pousou no Âncora

 

Em 2008, a Declaração Universal dos Direitos Humanos fazia 60 anos e em comemoração a esta data, o artista plástico alemão Richard Hillinger criou 30 pombas de bronze, em tamanho real, para chamar atenção dos 30 artigos da Declaração dos Direitos Humanos. Cada pomba foi presenteada para uma personalidade e/ou instituição que prestasse serviços de Cultura de Paz à humanidade.

As pombas já passaram nas mãos de Mikhail Gorbachev, Barack Obama, Papa Bento XVI, Angela Merkel, Dalai Lama, Parlamento Europeu, Anistia Internacional, Desmond Tutu, entre outras personalidades.

 

Pela primeira vez no Brasil, a Pomba da Paz para Educação dos Direitos Humanos chegou ao Brasil e aportou no Projeto Âncora, presenteada pela Escola da Esperança em Portugal, integrada à comunidade de Tamera. A Pomba ainda está conosco a procura de um projeto para presentear com esta relíquia! Celebremos!

 

Grupo de Responsabilidade da Alimentação

Um dos dispositivos de aprendizagem do Âncora é o Grupo de Responsabilidade. Em 2017 o GR da Horta e o GR do Lanche se uniram e iniciaram mudanças estruturais, saudáveis, saborosas e autônomas na alimentação da instituição. Os cardápios são desenvolvidos de forma participativa e dinâmica, o uso integral dos alimentos, evitando o desperdício, a conscientização do atual sistema alimentar em sua integralidade, sobretudo em relação a questão social e ambiental da produção, o cultivo de temperos, hortaliças, leguminosas no território Âncora, a alimentação vegetariana, por meio da “segunda sem carne” e da opção por receitas vegetarianas em todas as refeições são algumas ações em andamento que revelam números relevantes neste processo iniciado em 2014:

  • diminuição do açúcar em 80%;
  • 10% das crianças consumiam hortaliças; atualmente, 80% das crianças consomem;
  • diminuímos em 50% o consumo de carne;
  • 10% das hortaliças consumidas são produzidos no Âncora;
  • um grupo de estudos de ervas medicinais foi fundado;
  • o surgimento de uma dezena de parcerias ligadas à alimentação orgânica, sementes crioulas, pequenos produtores, ecovilas e um restaurante vegetariano.

Escolhas alimentares nutritivas a partir do aprendizado das propriedades nutricionais dos alimentos e suas funções para o organismo, na construção de uma nova cultura alimentar que vai além da perspectiva da saúde. Ao incentivar a mudança e plantar o próprio alimento, há um aprendizado de cunho socioambiental e político. Não poderíamos falar de desconstrução da educação tradicional sem trabalhar a nossa própria alimentação diária.

 

 

Cantinho do Desapego

 

O cantinho do desapego é um espaço de economia solidária que estabelece fisicamente um canal de doações e trocas. O espaço permite aos alunos, educadores, visitantes e comunidade deixar pertences que não utilizam mais, podendo também pegar algo que foi doado e que lhes interesse.

 

Os objetos ali deixados devem estar em perfeitas condições, e, para todos aqueles que quiserem pegar algum item, deve-se deixar um pertence. Assim, a ideia é unir e solucionar as necessidades do projeto e da comunidade de forma colaborativa e engajada.

 

A construção do novo passa pela economia e pela mudança de hábitos.

 

Seres políticos

 

Nas paralisações contra a Reforma Trabalhista os educadores do Projeto Âncora também pararam e abriram espaço à comunidade vir conversar sobre a situação do país. Também acompanhamos os estudantes em protestos de rua, inclusive três estudantes captaram recursos e foram para Brasília no protesto contra a “reforma” do Ensino Médio. Aqui também há estudantes que participam regularmente das reuniões do plano diretor e de sessões na câmara dos vereadores de Cotia acompanhados por educadores.

O que buscamos fazer é algo intimamente ligado à formação da consciência, com vistas à vivência da democracia, incentivando a responsabilidade social, para que possam ser capazes de conscientemente fazer opções políticas e participar como cidadãos construtores da História.

 

 

 

 

Ôkupa Âncora

 

O movimento ÔKupa Âncora nasceu na comunidade com a intenção de ocupar o espaço e os equipamentos do Âncora, fora do período em que atende as crianças. Se encontram todas as semanas e hoje há oficineiros de yoga, música, brincadeiras com bebês, contação de histórias, circo, fantoches e teatro. Este movimento fomenta a arte, a convivência familiar e a economia criativa.

O Ôkupa Âncora surge em 2015 inspirado por movimentos de participação social, política e artística da comunidade, em intervenções e ações locais, dentro de um contexto global de cultura de paz. Uma das inspirações foi o movimento “Occupy Wall Street”, que promove resistência desde  2011 nos EUA, sem liderança, com pessoas de muitas cores, gêneros e opiniões políticas, buscando questionar a desigualdade de renda global.

 

http://www.ie.ufrj.br/images/images/pos-graducao/pped/dissertacoes_e_teses/2017/davi_oliveira_sampaio__b7690.pdf

 

Ensino Médio

 

Em todo e qualquer núcleo do Projeto Âncora começamos com uma escuta atenta. Aprender a escutar o outro, incentivar que todos tenham voz, admirar, além de respeitar as diferenças e proporcionar um ambiente de confiança para compartilhamento de saberes, dons, sonhos e inquietações. Com isso, buscamos facilitar para que o outro se investigue e busque suas vocações. Entendemos que para consolidarmos o Ensino Médio foi importante ampliar esta escuta para entender o que a comunidade escolar esperava deste novo passo, perguntar aos educandos que passaram por aqui e estavam no Ensino Médio de outras escolas e aos que estariam no ano seguinte, escutamos as famílias e outras instituições de ensino e todos nos sinalizaram que deveríamos manter o que já somos. Não haveria salas específicas e nem dispositivos próprios. Quem chegasse para o Ensino Médio passaria pelos núcleos de Iniciação e Desenvolvimento até ter autonomia para chegar no Aprofundamento. Aprendendo, assim, a participar das decisões e ser agente pró ativo destas mudanças. Realizamos uma reflexão junto à criança, explicando que, apesar de podermos escolher quando e como aprender determinado assunto, temos um currículo a ser cumprido ao fim de 9 anos. Mas, como nossa relação com as crianças é mais próxima do que aquela que se pode construir em uma escola tradicional, buscamos entender a raiz da recusa e procuramos alternativas para quebrar essa barreira.

 

depoimento Isabela Giannuzzi, 15 anos

“Foi muito bom ter saído do Âncora e ir para uma escola pública. Ao me deparar com uma realidade diferente do que eu vivia, vi que o ensino vai muito além do conteúdo. Os alunos veem o professor como a única ferramenta de aprendizagem e eu aprendi que a vida oferece inúmeras ferramentas de aprendizagem. No Âncora aprendi a correr atrás, a pensar no coletivo e a criar a minha própria opinião.”

 

 

 

NÓS FOMOS O PRÓPRIO PRÊMIO!
A Prefeitura de Massaranduba (SC), por meio da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Turismo, realizou o Seminário de Socialização dos “Projetos Destaques 2017”. Na categoria gestores, Débora Petri Fenrich, do CEI Ivete Spézia Schmitt, venceram com o projeto “Espaços: possibilidades de transformação”. Como prêmio elas receberão uma visita ao Âncora. http://www.jdv.com.br/…/educacao-premia-os-projetos-destaqu….

 

ATELIER EM TODOS OS LUGARES

O Grupo de Responsabilidade do Atelier realiza este projeto itinerante em que visita variados ateliers de arte, exposições e espaços culturais, para que possam ampliar o repertório artístico, criando uma consciência crítica na construção do conhecimento. É a Comunidade de Aprendizagem Âncora tomando conta do território da cidade como espaço privilegiado de Educação.

 

Com licença Paternidade e Maternidade

Para transformar a Educação, precisamos nos transformar, inclusive como forma de gestão. Uma evidência da mudança de paradigmas que praticamos são as licenças maternidade e paternidade. A educadora Thais de Novaes pôde cuidar integralmente da sua filha por 7 meses e voltar à rotina em um ano; já, Anderson Portilho, também educador, ganhou 4 meses de licença paternidade para que seu segundo filho recém-nascido e sua esposa tivessem este amparo. Para que esta qualidade de vida pudesse ser promovida, a equipe “comprou” esta responsabilidade e dividiu os trabalhos dos dois profissionais enquanto estavam em licença.

 

 

Na universidade
Davi Sampaio, do Instituto de Economia / UFRJ, programa de pós-graduação em políticas públicas, estratégias e desenvolvimento, fez vivência de uma semana e depois mais um mês, para elaborar sua dissertação “Uma escola na economia do conhecimento e aprendizado: análise do Projeto Âncora sob a perspectiva de mudança de paradigma tecnoeconômico.” http://projetoancorablog.blogspot.com.br/…/carta-do-mes-de-…

Cerca de 15 trabalhos acadêmicos sobre o Âncora foram realizados na área da pedagogia, arquitetura, relações públicas, design, economia e psicologia nos últimos dois anos.

Jovens palestrantes

O GR da Biblioteca e CIELO

O Projeto Âncora e o Time do Bem (grupo de voluntários) da Cielo se reuniram no final de 2017, para realizar uma importante e necessária ação: o primeiro mutirão para catalogação virtual dos livros. Em um sábado ensolarado, recebemos no Projeto Âncora em torno de 50 voluntários do Time do Bem que, sob as orientações dos educandos e educadores do Âncora, realizaram a catalogação de cerca de 600 livros. Essa ação faz parte das iniciativas dos educandos e educandas do G.R. da Biblioteca para melhorar a pesquisa em nossa escola. A catalogação permite com que as crianças, a partir de qualquer computador da escola, acessem o sistema da catalogação e possam encontrar livros para suas pesquisas a partir de palavras-chave. Tecnologia, solidariedade e parceria!

 

Catalisador e Cultura Maker

O Instituto Catalisador, por meio do Programaê (Fundação Lemann e Fundação Vivo Telefônica) participou do Projeto MakersEduca, desenvolvendo um programa conosco por um ano. Em janeiro de 2016, participaram do Lemann Creative Learning Institute no MIT Media Lab, e no decorrer do semestre visitaram museus com as crianças, fizeram maquete em 3d no Mundo Maker, revisitaram proporções, cálculos e ângulos, reaproveitaram material histórico do Âncora (brinca-corpos) e concretizaram um feito a partir das necessidades e desejos das crianças: com a aprendizagem criativa mão na massa, facilitaram o protagonismo infantil no desenvolvimento do brinquedão do nosso parquinho.

 

 

Time do Citi

 

“Todo mundo aprende com todo mundo.” Neste espírito de construção de time e atuação do coletivo por meio de jogos colaborativos, cerca de 90 colaboradores do Citi vieram ao Âncora, e depois o Âncora foi ao Citi. Foi um ano de construção coletiva junto ao Citiesperança até que esta troca pudesse ser concluída. Troca intensa e aprendizado múltiplo, onde os funcionários do banco puderam vivenciar, escutar e brincar com educadores e educandos de nossa instituição. Posteriormente, a nossa turma é que foi conhecer o funcionamento de um banco. Um dos gerentes observa: “A gente vem achando que vai ajudar e acabamos sendo ajudados”.

 

21 em União

No dia 21 de setembro de 2017, os alunos de todas as épocas do nosso Circo escola apresentaram o espetáculo “21 em União”. Foi uma ideia de ex-alunos no sentido de angariar fundos para o Projeto Intercâmbio para Tamera.  Dirigido pela artista circense Penha Cerícola Vaz, que trabalha no Âncora há 23 anos, contou com apoio técnico da R1 soluções audiovisuais.

 

 

Empresas Parceiras ou

Como a nave se mantém?

Somos uma associação que acredita que a Educação é a forma mais coerente de Desenvolvimento Social. A Escola Projeto Âncora é particular e gratuita. Depende de incentivos fiscais e doações para se manter. Este espaço serve para declarar o nosso “muito obrigado” a todas as empresas colaborativas que investiram, de 2014 a 2017, dinheiro, tempo, talento, recursos materiais e dedicação, acreditando em nossa causa e em nosso trabalho. As pessoas físicas são igualmente importantes e estão contempladas em nosso site.

Patrocínios

Reservar espaço para logos:

Cielo, Blau Farmacêutica, Engakja Brasil, Highline, Instituto Helena Florisbal, Instituto PHI, Natura, Petrobrás

 

Parceiros pessoa jurídica

  • ABAV
  • Almirante Multicomunicação Integrada
  • Alvo Arquitetura
  • Bom gelo
  • Cabernet agency
  • Caiena
  • Canal Futura
  • CH Travel | TouchBrazil
  • Cia Grande Urso Navegante
  • Cia Marapuanesca
  • CiaK
  • Circo Zanni
  • Citiesperança
  • Citibank
  • CMDCA
  • Darandina
  • Day Brasil
  • Electi
  • Escola de Marketing Industrial
  • Escola Micael
  • Estúdio Granja Viana
  • ETEC Cotia
  • Fotógrafos: Ana Alcantara, Embrafoto, Rafael Pereira, Lucas Lima,  Sebastian Lindstrom and partners – What Took You So Long
  • Fundação Brasil 2000
  • GE
  • Grupo Dória Associados
  • Grupo TX
  • Hortomix
  • Indaial Papel
  • Inspirative Cine e foto
  • Kim Pães
  • KPMJ
  • La Mínima
  • Lira Filmes
  • Lobo & de Rizzo
  • Loungerie
  • Margraph
  • Marques Iluminação
  • Magnetech produtos criativos
  • Mercado Note Book
  • Mundo Maker
  • Natal do Bem
  • Neo Print
  • A. Produtores Associados Marcas e Patentes Ltda
  • Padaria Gouveia
  • Panrotas
  • PEDAL
  • Prata Design
  • Prefeitura de Cotia
  • Price
  • Raquel Natação
  • Revista Circuito
  • Reuna Arquitetos Associados
  • R1 Soluções Audio Visuais
  • Saint Luiger
  • Siqueira Castro advogados
  • Site da Granja
  • SKAL
  • T4F
  • TechSoup
  • Tirolez
  • Transitions Towns Brasil/ Granja Viana
  • Troiano
  • Umbigo do Mundo

Medição de impacto

 

Entre 2012 e 2017

  • Fomos citados mais de 5 mil vezes em mídias sociais
  • 280 matérias em blogs
  • 325 em mídia impressa
  • Objeto de cerca de 30 trabalhos acadêmicos
  • Pautados em 21 programas de TV.
  • 000 pessoas nos visitaram
  • 60 instituições fizeram imersão na entidade, no programa de “Transformação Vivencial”.
  • Curso on line atingiu 2000 inscrições
  • Fomos reportados no documentário Quando sinto que já sei(2014) com 638.736 views.
  • Fomos o episódio de abertura da série internacional Destino: Educação – Escolas Inovadoras(2016) com 70.834 views.
  • Estamos entre as 178 escolas inovadoras e criativas mapeadas pelo MEC
  • Estamos entre as 100 melhores ONGs do Brasil conforme a Revista Época e Instituto Doar.

 

BALANÇO FINANCEIRO
Doação Pessoas Físicas e Jurídicas 1.208.623,15
Parceria Órgãos Públicos 415.428,29
Transformação Vivencial e Visitas 148.141,81
Cursos, Palestras, Consultoria 60.221,31
1.832.414,56
Despesas 2016
Pessoal 1.477.785,91
Locação 341.496,00
Alimentação 107.834,04
Prestação Serviço 118.017,59
Diversas 137.601,98
2.182.735,52
Resultado -350.320,96
Doações 2017
Doação Pessoas Físicas e Jurídicas 781.704,47
Parceria Órgãos Públicos 2.242.324,52
Transformação Vivencial e Visitas 196.718,76
Cursos, Palestas, Consultoria 69.950,83
3.290.698,58
Despesas 2017
Pessoal 1.664.821,32
Locação 341.496,00
Alimentação 80.306,52
Prestação Serviço 114.971,02
Diversas 162.005,20
2.363.600,06
Resultado 927.098,52

 

Embarque e Colabore

Você pode contribuir para que o Projeto Âncora continue em expansão de diversas formas

Doações:

Incentive um educando: O Projeto Âncora investe em cada educando aproximadamente R$1.000 por mês. Um associado mensal contribuindo com este valor para a formação integral de uma criança, garantindo aprendizagem multidisciplinar, cidadania ativa, 3 refeições por dia, oficinas artísticas e atividade física.

Contribuição solidária: Com R$50,00 mensais você se torna um contribuinte mantenedor do Projeto Âncora.

Dados para depósito:

Banco Itaú
Agência: 3218
Conta Corrente:00970-6

Banco Bradesco
Agência: 2384
Conta Corrente: 5239-6

Imposto de renda:

Este repasse é fundamental para que o Projeto Âncora continue a sua missão de Educação a serviço da transformação social.

Por meio do Incentivo Fiscal, pessoas físicas podem doar até 6% do imposto de renda devido, ou 1% no caso de pessoas jurídicas. Empresas que têm como regime de tributação o lucro real também podem optar pela doação de até 2% do lucro operacional, que pode ser declarado como despesa operacional.

Veja o passo a passo da doação aqui nesta cartilha.

SUA NOTA FISCAL VALE UMA NOTA

O Programa Nota Fiscal Paulista, do governo do estado de São Paulo, prevê a devolução de parte do ICMS recolhido no ato da compra por meio de descontos ou créditos. Uma das opções do consumidor, pessoa física ou jurídica, é doar seus créditos para uma entidade social, como o Projeto Âncora.

O governo do estado modificou o sistema de doação de notas, é necessário baixar o aplicativo em seu smartphone e direcionar para o Âncora ou também baixar em seu computador. Primeiro se faz um cadastro no sistema de nota fiscal. Além do CPF e dados completos de endereço, eles solicitam o número do título de eleitor e número do RENAVAN, se em seu CPF constar algum veículo.

1 – Acesse o link: nfp.fazenda.gov.br

2 – Selecione a opção “Acesso ao Sistema”

3 – Escolha a opção – “Consumidor” e digite seu – “CPF / Senha” e clique em – “Acessar” (caso não tenha cadastro faça seu cadastro em “cadastro Pessoa Física”).

4 – Acesse o menu  “Entidade”  “Doação de Notas” – “Mês e ano da compra” – “Nova doação”

5 – Se o Cupom Fiscal tiver o código de barras utilize a “chave de acesso’ e digite os 44 dígitos, caso contrário digite o nº do CNPJ – Tipo de documento (cupom ou nota fiscal) – Data de emissão do Cupom – COO – Valor total do documento – Escolha a opção por CNPJ e digite: 00.860.895/0001-34(não digite ponto e nem barra) e clique em – Registrar doação.

Parece complicado, mas não é!

 

Está em dúvida de como ajudar? Quer se tornar um mobilizador de recursos para o Projeto Âncora? Está com dificuldades em direcionar seu imposto de renda para nós? Envie um e – mail para suzana@projetoancora.org.br e teremos imenso prazer em auxiliar.

 

Voluntariado

 

Uma maneira de integrar a nossa nave com potência e solidariedade é contribuir com voluntariado. Para que conseguíssemos atender tanto a necessidade da ONG e também as possibilidades dos voluntários criamos a

CRAVO (Comissão de Recepção e Acolhimento de Voluntários e Oficinas)

 

A CRAVO, que tem a participação de educadores e voluntários numa relação de troca coerente e de um processo de vivência. Os voluntários adentram nossas práticas, adequando suas possibilidades e horários, sempre visando a cultura colaborativa dentro da instituição.

Quer se engajar? Envie um e mail para cravo@projetoancora.org.br

 

Diretoria e Conselho

Nossos diretores e conselheiros são também voluntários. Veja só o nosso time

Diretoria

Ana Letícia da Silva Maciel – Presidente

Walter Teixeira

Fabio Zsigmond

Celso Sekiguchi

Vinicius Leonardo Luna

 Conselho Fiscal

Fabio Rothschild Iguelka – Presidente

Luiz Eduardo Do Amaral Cardia

Roberto William Schur

Conselho Consultivo

Alessandra Santos Alves Ferreira

Alexandre Ferreira da Silva

Anna Beatriz Cattoni

Ana Elisa Siqueira

André Monteiro Alckmin – Presidente

Angelica Bonfiglioli Lopes

Anisor José Rodrigues

Antônio Carlos de Melo Sá

Aristides de La Plata Cury

César Righetti

Claudio João Paulo Saltini

Clodoaldo Ferreira da Silva

Daniel Burd

Didiana Prata de Lima Barbosa

Edinaldo Moreira Oliveira

Eduardo Faria de Carvalho

Fernando de Almeida Nobre

Fernando Furuiti

Gabriel Mario Rodrigues

George Ricardo Stein

Isabela Maria Gomez de Menezes

Joandre Antônio Ferraz

João Doria Jr

Jose Carlos Teixeira Moreira

José Fernando Monteiro Alves

José Francisco A. Pacheco

José Orlando A. Arrochela Lobo

Juarez Cintra Pereira Filho

Juliane Azevedo da Silva

Lee Swain

Leonardo Lima

Luiz Fernando Furlan

Mara Nascimento Nogueira

Marciano Gianerini Freire

Marcio Andrade Ferreira de Carvalho

Marcos Arbaitman

Maria Diva Lopes Pereira Moreira

Marina Pechlivanis

Mirian Amorim Teixeira

Neto Galizi

Norma Souza Alcantara

Paulo Roberto Pereira

Paulo Roberto Sá Grise

Pedro Cruz Villares

Raquel Regina Pereira Stoiani

Regina Céli de Albuquerque Machado Steurer

Rita Morais Prata de Lima Barbosa

Roberto Adler

Rosamaria de Sousa Pacheco Junqueira

Rozana Aparecida Moro

Sebastião Antonio Luna Filho

Sílvia Pompéia

Thais Panini Pacheco

Thereza Franco

Ulrich Friedrich Mielenhausen

Valter Lulei

Valter Stoiani

 

Depoimentos:

A equipe do Projeto Âncora!

Gostaria de expressar a minha gratidão pelos momentos que vivi hoje em companhia da Nicoli, Alana e Edilene. Nenhum livro que li foi capaz de definir de modo tão claro o significado de protagonismo infantil como a experiência que tive com essas meninas, de 7 e 10 anos. Se o intuito do projeto é nos inspirar, tenham a certeza de que estão cumprindo muito bem esta tarefa!

A Nicoli ao perceber que o grupo se dispersava um pouco, dizia ” cuidado para não se perder”, “estão todos aqui”. Uma delicadeza no gesto, no olhar, no cuidado com as palavras… Fiquei realmente impressionada ao ver a potência destas crianças e a riqueza de conhecimentos que possuem. À Edilene, meu muito obrigada por compartilhar de maneira tão generosa seus conhecimentos, suas conquistas e também angústias.

 

Gratidão !!!

Atenciosamente,

Marcia Bueno

 

“A Alegria não tira nossa seriedade” Palhaço Magnólio (in memorian)

 

Pessoal assim vocês aumentam mais ainda meu conceito sobre o Projeto e os envolvidos.

Gostei da visita, gostei da estrutura, gostei da proposta, gostei da roda de conversa… E ainda por cima, são atenciosos e rápidos!

A cada dia gosto mais de vocês.

Obrigado por tudo.

 

ATT:

 

 

Marcar como concluído

17:32

Chuvas de bênçãos a este projeto

humano

artistico

livre

e empreendedor…

isso cai por terra toda forma fechada de ensinar…

abre asas e educa nossos pequenos a serem grandes qdo forem grandes…

Aplausos para a equipe de gestores e colaboradores

Aplausos!!!!!

IveteF. Rocha

 

“Eu estudo na melhor escola do mundo” Bruno Panini (12 anos)

 

 Também no link:

Relatório 2016/2017

Âncora na nave

A aprendizagem começa com um movimento interno

Somos educadores. E, como educadores, é impossível acreditar que não é possível. Para chegar lá é preciso ousadia e coragem para desbravar universos e contextos cada vez mais complexos nos quais estamos inseridos hoje.

Experimentar, errar e acertar, evoluir e se lançar na confiança do mundo atual e do mundo que estamos construindo. Ousar por terras nunca antes visitadas e mediar a aprendizagem dos jovens e crianças é uma grande oportunidade para fortalecer vínculos na aprendizagem mútua.

Nossa nave circo transporta uma âncora, a velocidade é cuidadosa, as assembleias são soberanas, e a força do grupo e do consenso é construída no dia a dia. De 2014 a 2017, fizemos muito, ampliamos nosso olhar e nossa atuação como educadores. Cuidamos da aprendizagem sistêmica, holística e responsável: da alimentação, da consciência das crianças como cidadãos, da construção de seres políticos, artísticos, sonhadores e responsáveis.

 

 

Na nossa verdade, a melhor ferramenta para o desenvolvimento social e humano é a educação para o futuro.

 

Por meio dela (trans) formamos seres humanos para mergulharem dentro deles, olhando ao outro, visando o coletivo e atentos a tudo que faça refletir, com saúde, resiliência, tecnologia, arte, pesquisa e atualidade. Nosso rumo é uma matriz de valores guiada pela responsabilidade, solidariedade, respeito, afetividade e honestidade!

Nossa nave é uma comunidade de aprendizagem sem fronteiras e em constante mutação.

Visamos a um ideal de Educação: aprender no convívio com os outros. Somos mediadores da aprendizagem.

Não há hierarquia entre mestres e discípulos.  Na nave, o aprender se faz junto, na troca de experiências, de ideias, de gostos e de sonhos.

Temos como meta o desenvolvimento da autonomia – a do educando e a dos educadores – na formação de Comunidades de Aprendizagem

 

PANORAMA: dupla com todos os programas e números robustos

 

Saiba um pouco do que colhemos:

  • Recebemos a visita de cerca de 11.000 educadores nos programas de Transformação Vivencial;
  • Participamos do episódio de estreia da série do canal Futura, que mapeou 12 escolas inovadoras do mundo;
  • Fomos citadas entre as 178 Inovadoras e Criativas escolas mapeadas pelo MEC;
    • Nossas crianças e jovens deram mais de 20 palestras em instituições no Brasil e em Portugal;
    • O curso online “Fazer a Ponte no Brasil” teve mais de 2.000 inscrições;
  • Reduzimos 80% do açúcar usado em nossa alimentação;
    •10% das hortaliças que consumimos é plantada por nós.
  • incluir mais itens

 

Voamos profundo e convidamos todos a virem conosco promover mudanças estruturais neste mundo em transição.

 

 

Lançamento da Nave: Primavera de 1995

Um próspero e visionário empreendedor do turismo, Walter Steurer (1940-2010), conheceu sua segunda mulher, Regina Machado, arquiteta e urbanista, ligada aos movimentos sociais e à arquitetura de espaços sagrados. Deste encontro amoroso nasce, em 1995, o Projeto Âncora, localizado na periferia de Cotia, divisa com Carapicuíba, Osasco, Embu e São Paulo.

O primeiro equipamento foi o circo, a nave mágica. A partir deste coração, os 12.000 m² de terreno, são ocupados com 9.550 m² de instalações, com 3 cozinhas, prédios, refeitório, biblioteca, lavanderia, alamedas, hospedaria para até seis pessoas, salas de música, dança e vídeo, laboratório de ciências, pista de skate, quadra coberta, hortas e o circo-nave-coração. Todos esses espaços, internos ou externos, naturais ou construídos, são utilizados como locais de incentivo à aprendizagem.

 

A “Cidade Âncora”, projetada por Regina Machado é apresentada, desde a fundação, como uma instituição progressista preocupada em promover a emancipação humana e ampliar os horizontes de cerca de 6000 pessoas já atendidas diretamente desde 1996, ano em que as atividades iniciaram.

Até 2012, o Âncora atendia o contraturno escolar e oferecia oficinas, cursos profissionalizantes, creche e Encontros de Educação. Por ali passaram nomes como Mario Sergio Cortella, Frei Betto e o definitivo professor José Pacheco, fundador da Escola da Ponte, em Portugal, e referência mundial de Educação no século 21. O professor Pacheco trouxe a possibilidade do antigo sonho do casal de ampliar a atuação da ONG para uma escola de ensino formal, mas nada convencional. O antigo sonho foi realizado: a Escola Projeto Âncora nasceu em 2012, logo após o falecimento de Walter Steurer. Ele morreu e renasceu como escola, dizem os mais espiritualmente poéticos.

Por meio dessa união de ser particular e gratuita, somada ao trabalho já exercido na instituição, tornou-se possível orientar integralmente jovens e crianças, através do centro de educação infantil, ensino fundamental I e II, ensino médio, além das diversas oficinas e dinâmicas que envolvem atividades físicas, arte, cultura, yoga, meditação, psicologia, nutrição, música, dança, culinária, marcenaria, mediação de conflitos, formação política, saídas pedagógicas e desenvolvimento humano.

 

Residir em um raio de até 3 km da sede, ter uma renda familiar de 3 salários mínimos, estar inscrito no serviço municipal de assistência social de Cotia e aguardar uma fila generosa, além de critérios de engajamento familiar na escola, são os requisitos necessários para ingressar no Projeto Âncora em período integral. Atualmente atendemos 180 crianças diretamente, de 4 a 17 anos. Esta é nossa Comunidade de Aprendizagem Matriz.

 

Constelação Pedagógica

Em nosso território, crianças começam o dia em roda se planejando com as atividades que fazem sentido na construção de seu próprio conhecimento. Elas são protagonistas de seus roteiros, dos seus grupos de responsabilidades, de seu tempo para realização de cada projeto, do que consome, da construção de seus laços afetivos, da resolução de pequenos conflitos cotidianos e também da sua autoavaliação ao final de cada ciclo.

Jovens lançados na corda bamba das relações, voam pelo trapézio da autonomia, equilibrando os malabares das superações. DESTAQUE

A Nave Âncora pousa em qualquer canto que gere conhecimento e propósito. Assim, as praças são salas de estar e também espaços de aprendizagem e biblioteca.

A nave é pilotada por pais empreendedores e participativos, professores, cozinheiros, mestres, tutores, amigos.

As grades curriculares estão organizadas em diagramas mais flexíveis. As aulas foram substituídas por vivências, e mesmo assim cumprimos os currículos do MEC para o Ensino Fundamental 1 e 2 e para o Ensino Médio, com altas taxas de frequência, assiduidade e elevada autoestima.

 

Núcleos de Projetos

Visamos um ideal de educação: aprender no convívio com os outros. Somos mediadores da aprendizagem. Temos como meta o desenvolvimento da autonomia – a do educando e a dos educadores – na formação de Comunidades de Aprendizagem.

Organização das crianças em núcleos de acordo com seu grau de autonomia. São unidades coerentes de aprendizagem e desenvolvimento pessoal e social. Não é uma distribuição dos educandos em espaços específicos, mas um processo que garante o contato e a vivência deles em um conjunto de dispositivos que auxiliam seu caminhar. Os educandos transitam pelos núcleos de acordo com sua autonomia, pois o desenvolvimento de cada um é avaliado individualmente e cada educando precisa estar no Núcleo que o atenderá melhor em suas necessidades, independentemente da idade ou da série em que estaria matriculado na escola tradicional.

  • Núcleo da Iniciação: todo educando que chega no Projeto entra no núcleo da Iniciação e neste núcleo irá aprender combinados básicos, a importância dos valores, inclusive o processo de construção coletiva destes, e avançar no desenvolvimento da autonomia. Na iniciação também se dá o processo de alfabetização e realização das quatro operações. Sem estas chaves não é possível dar o próximo salto.

(eliminar o ex em todo o relatório)

 

  • Núcleo do Desenvolvimento: neste núcleo crianças e adolescentes organizam seus roteiros e, com autonomia, cumprem seus compromissos.
  • Núcleo do Aprofundamento: no aprofundamento estão os jovens com maior autonomia. Além de cumprir seus roteiros e terem introjetado os valores do Projeto, também conseguem auxiliar os outros a alcançarem estes objetivos.

 

 

Comunidades de Aprendizagem:

A formação de Comunidades de Aprendizagem é parte de nossa “cosmologia”. É nela em que fundamentamos a construção de uma Educação que dialoga estreitamente com os conceitos de Território Educativo, Bairro Escola e Cidade Educadora. Uma prática que diz respeito a projetos educativos que extrapolam os limites da escola, numa proposta de transformação social e cultural que envolve todos os tripulantes da sociedade. Trata-se de um projeto educativo como ato coletivo, sempre considerando o quadro de um projeto local de desenvolvimento.

AFAPA:

Temos, atualmente, iniciada a organização da AFAPA – Associação de Famílias e Amigos do Projeto Âncora. Famílias mais engajadas e conscientes de que a escola não deve ser pensada “para elas”, mas, sim, “com elas”. Rompemos os ditos “horários de funcionamento” para dar espaço e condições para a ativa participação da comunidade no processo de construção da escola que acreditamos. Organizam grupos de apoio aos trabalhos operacionais, fazem eventos, praticam voluntariado, participam da assembleia em que são discutidos e encaminhados propostas e consensos sobre os diversos assuntos, como financeiros, administrativos, operacionais e pedagógicos.

Circo:

Circular, democrático, generoso e colaborativo, o circo foi a primeira estrutura do Projeto Âncora. Assim como um coração pulsante guardião de uma essência. Um lugar de equilíbrio, desequilíbrio, altos e baixos, riscos, frustrações e conquistas.  No picadeiro as crianças, jovens e ex-alunos são tutorados pela artista circense Penha Cerícola Vaz, que está no Âncora desde 1996:  “Usar a arte como ferramenta de educação. Nos treinos, elas aprendem a trabalhar em equipe, confiar e respeitar o colega”, observa Penha.

No circo também acontecem os espetáculos, reuniões maiores, assembleias e celebrações, comportando cerca de 300 pessoas. Cada vez mais nos aproximamos da formação de um Centro Cultural Comunitário em nosso Circo-Nave-Coração.

Dedo do silêncio e mão da fala:

Alguns signos são usados para organização dos espaços e das atividades. Quando se levanta o dedo, é pedido de silêncio. Quando se levanta a palma da mão, é um pedido de fala.

Mediações de conflitos:

Não temos nenhuma atividade dinâmica específica para que os educandos exercitem as relações interpessoais. O exercício de um melhor relacionamento e resolução de conflito se dá no dia a dia e com transparência. Priorizamos isso em detrimento de qualquer outra coisa. Em qualquer conflito que ocorra, ajudamos os educandos a se acalmarem e conversarem sobre o que aconteceu, ouvindo o ponto de vista do colega e colocando o seu. Sempre buscando falar com e não falar de.

Plataforma de Aprendizagem:

 

O interessante do nosso espaço virtual é que não o concebemos como uma plataforma de “ensino”, mas sim de “aprendizagem”, pois há um conceito de troca de informações e descobertas conjuntas, desfazendo o caráter hierarquizado que o ensino tradicional ainda tem dificuldade em romper. Ainda estamos trabalhando para sua utilização em toda a sua potencialidade, mas já caminhamos bastante.

Esta plataforma foi desenvolvida por 3 anos por uma empresa parceira, chamada Caiena. Este ambiente virtual permite que troquemos informações com educandos e famílias, sobre o Serviço de Assistência Social e Fortalecimento de Vínculos, sobre os projetos e pesquisas, inserindo fontes e nossas contínuas avaliações. Na plataforma também temos o ambiente dos Grupos de Responsabilidade, onde disponibilizamos para toda a comunidade escolar os combinados e propostas.

 

Segue o link para o vídeo feito para a ocasião do lançamento https://www.youtube.com/watch?v=_CgcFJXBh3o

 

 

Dispositivos de Aprendizagem

 

“Se não há aulas, apostilas, séries e provas, como estas crianças aprendem?”, pergunta frequente aos tripulantes.

Usamos uma tecnologia em constante desenvolvimento por nós e por toda a Comunidade de Aprendizagem que coopera conosco.  São suportes pedagógicos que auxiliam nas relações educador/educando e educando/educandos, possibilitando o exercício da reflexão, da autonomia e do engajamento coletivo. São eles que viabilizam e garantem a aprendizagem e a avaliação, na evolução de cada educando, individual e comunitariamente.

 

PLANEJAMENTO: Organização pessoal e coletiva

Todos os dias, as crianças realizam o planejamento do dia. Chegam na escola entre 7h e 7h58, para que às 8h comecem o dia a partir de um planejamento prévio, por elas construído.  Consideram as oficinas em que estão inscritas, encontros com colegas para estudos e pesquisas, encontros com seu tutor, participação em algum grupo de responsabilidade, brincadeiras, jogos, atividades na sua comunidade, refeições e outras atividades, em um exercício diário de gerenciamento do tempo.

 

 

PESQUISA: Tecnologia a favor da educação

 

Para o cumprimento do roteiro, os educandos têm como parâmetro: livros, pesquisas na internet, saídas pedagógicas, além da ajuda dos educadores e de colegas educandos. Ao realizarem suas pesquisas, os educandos aprendem a organizar textos em tópicos, a descrever e enumerar elementos, a registrar o que pesquisaram em várias fontes. Ao final, compartilham o que aprenderam.

 

OFICINAS: Ampliar o repertório

Há uma diversidade de oficinas que auxiliam o desenvolvimento do educando de forma integrada. Elas propõem a melhoraria do repertório motor, emocional e psicológico. Yoga, prática de banda, circo, Bate Coração, corpo humano, atelier de artes, futsal, jogos dramáticos, skate, contação de histórias, meditação, entre outras, que vão e vêm na construção de uma cultura corporal de movimento como linguagem, como forma de comunicação e interação social, expressão de afetos e emoções. Atividades físicas, musicais, terapêuticas e lúdicas ampliam, cada vez mais, a percepção do educando a respeito de si e do mundo.

GRUPO DE RESPONSABILIDADE: Temos um problema

 

A problematização é uma fantástica forma de aprender na prática. Os grupos de responsabilidade nascem de alguma questão que precisa ser resolvida e, em assembleia, são escolhidos os membros que participarão das comissões que se tornarão Grupos de Responsabilidade. O desenvolvimento de tarefas executadas pela inteligência coletiva alcança soluções amplas para problemas comuns.

Alimentação, Assembleia, Atelier, Biblioteca, Bullying, Celular, Comunicação, Água, Horta, Manutenção, Tecnologia, Eventos, Visitas, Materiais Coletivos e Materiais Esportivos, são os GRs ativos.

 

ROTEIRO DE ESTUDO: A escolha de aprender

Na inversão da lógica do ensino tradicional, a Escola Projeto Âncora parte do Roteiro de Estudos para que a aprendizagem seja significativa. Por meio deles conseguimos alcançar o currículo nacional sem ter partido dele.  Com orientação do tutor, o educando escolhe o que estudar no período de uma semana, ou quinzena, e monta seu roteiro. Diariamente, ao chegar ao Projeto Âncora, o educando faz seu planejamento diário, com a gestão do tempo, espaços e conteúdos a cumprir.

 

Data: 12/03/2018 (segunda-feira)

7:20 Chegada ao Âncora

7:35 Planejamento do dia

8:00 Energias renováveis e não renováveis (estudo)

8:50 Leitura do livro “A sétima cela”

9:15 Lanchar

9:35 Continuar a leitura do livro “A sétima cela”

10:00 Reunião do grupo de responsabilidade “Laboratório”

10:40 Organizar o laboratório com o grupo

11: 30 Almoçar

12:00 Assuntos da secretaria-jovem aprendiz

13:30 Reunião com o grupo Aprofundamento

14:30 Lanchar/Descansar

15:00 Acompanhar os alunos da escola Santa Cruz, na vivência que estão fazendo conosco-jovem aprendiz

17:00 Participar do conselho de projeto

18:30 Preparar para ir embora

 

ASSEMBLEIA – Seres políticos

 

Por meio das assembleias as crianças discutem os acontecimentos referentes ao cotidiano escolar, encontrando soluções, colocando necessidades, percepções e desenvolvendo questionamentos para as situações vividas. As regras da Escola decorrem do que é refletido e aprovado pela Assembleia, e por serem construídas coletivamente, as regras são chamadas de combinados. Somente quando há consenso é que os educandos cumprem o que decidiram.

Membros do GR da Assembleia fazem parte das reuniões de diretoria e da assembleia dos educadores.

 

RODA DE CONVERSA – Aprender a se posicionar

 

Momentos em que todas as crianças envolvidas em uma atividade ou uma situação conflituosa sentam em roda. Desta maneira, todas podem se ver. Combina-se um jeito de organizar as falas e as escutas. Os problemas, impasses, desafios que aparecem no dia a dia são colocados na roda com as pessoas envolvidas.

AVALIAÇÕES: Autoconhecimento e responsabilidade

A avaliação praticada no Âncora é do tipo formativa, contínua e sistemática. O que é priorizado no processo é a própria aprendizagem de cada educando, o seu desenvolvimento cognitivo e comportamental, que demandas e dificuldades apresenta, e como pode superá-las. A partir da autoavaliação do próprio educando, da tutoria e do contato com outros educadores que acompanham aquele estudante, reúne-se as informações de todo o percurso do estudante para escrever o relatório.  A proposta é avaliar o avanço da aprendizagem e sua correlação com conhecimentos objetivados pelo Plano Curricular Nacional, e também o currículo subjetivo de cada estudante.

 

BRINCAR – A seriedade do brincar

A construção de saberes e significados também ocorre por meio das brincadeiras, sobretudo as que envolvem a imaginação. Ao brincar de faz-de-conta, as crianças se vestem como, falam como, enfim, encenam tudo aquilo que enfatiza suas relações. O que, na vida real, passa despercebido pela criança torna-se uma regra de comportamento na brincadeira. As maiores aquisições de uma criança no estabelecimento e construção de regras são conseguidas na brincadeira, aquisições que no futuro se tornarão seu nível básico de ação real e moralidade.

 

Do Universo em Cotia ao Multiverso

A instituição se multiplicando por meio da inspiração

Cursos, formações, imersões e (Trans) Formações

 

 

A crescente procura de educadores para conhecerem as práticas inovadoras de educação promovidas pelo Âncora fez a entidade despertar para a multiplicação de seus saberes e fazeres. O Programa de Transformação Vivencial oferece vivencias e imersões para que educadores do Brasil e do Mundo, usem todos os seus sentidos para se inspirarem na maneira de fazer educação do Âncora e assim construírem à sua maneira aplicada em sua própria instituição, seja ela de ensino, empresarial, familiar ou governamental.

Se você já conhece o Âncora, a dica é ir revisitar, já não somos mais os mesmos. Nossa reinvenção é diária.

 

Há várias formas de fazer parte deste projeto: a visita, a imersão de um dia, a vivência transformadora, assessoria, palestras e cursos:

 

  • Visita: nessa modalidade, a pessoa interessada pode ter o primeiro contato com o espaço, a organização pedagógica e a Escola Projeto Âncora. A visita é guiada por um educando do Grupo de Responsabilidade das Visitas, seguido de roda de conversa. Ocorre às terças-feiras, das 9h30 às 12h00;

 

  • Imersão de um dia: O visitante terá a possibilidade de vivenciar junto com os educadores e educandos as atividades pedagógicas na escola e, ao final do dia, integrar uma roda de conversa ministrada por um dos educadores; esta visita ocorre das 08h30 às 16h00, sendo necessário o agendamento. Pode participar um grupo de no máximo 15 pessoas;

 

  • Vivência transformadora: Durante uma semana, os participantes têm a possibilidade de se envolver nas atividades do projeto, acompanhando a dinâmica dos trabalhos na escola e integrando as reuniões com educadores para reflexão e esclarecimento de dúvidas. No investimento da vivência está incluso: atendimento, alimentação e pouso em nossa hospedaria;

 

Witon Jr. é professor de linguística e formação docente na Universidade Federal de Goiás. Passou conosco a imersão de cinco dias da Transformação Vivencial e tocado escreveu este poema:

Âncora teu coração, viajante,
No movimento da Vida,
Na simplicidade das coisas complexas
E silenciosamente ergue tua mão
Sorri e fala de ti.

Iça as velas
O circo tem espetáculo!
E o tempo será o nosso tempo
Construído na cumplicidade dos nossos olhares
Na escuta sincera das diferenças
Desmuralhando as ideias,
E no afeto
Pelo Afeto
Ser outro novo e novamente

Levanta a Âncora, viajante
A nau segue a encontrar novas ilhas
E congregar outras vidas.
Ergue tua mão,
Sorri e fala de ti.
Wilton Jr. 13/04/2017

 

 

 

  • Assessoria: a Escola Projeto Âncora se baseia no “fazer com e não para” e, para isto, promove uma rede de apoio e compartilhamento de experiências com as instituições educacionais interessadas. Construída com um diagnóstico inicial feito pela equipe da ONG e a instituição, tem como algumas de suas estratégias a vivência de um dia, a vivência semanal, trocas de e-mails, Skype, WhatsApp, indicações de leituras e visita à entidade, tudo isto baseado na necessidade de cada entidade;

 

  • Palestras: educadores e educandos se disponibilizam para compartilhar o que fazem e tirar dúvidas sobre o projeto por todo o Brasil. Cerca de 30 palestras e rodas de conversa foram realizadas neste período e um grupo de educandos também se envolvem nas atividades falando publicamente sobre a Instituição.

 

OLHO: COM O CÉREBRO FORMIGANDO

– Vive-se um ano em um dia.- declara Ana Claudia Navarro enquanto lava shitakes.
– Pois é. Aqui o tempo é visto de forma diferente. E nem por isto o objetivo de aprendizagem não é alcançado. – diz Daniellli Gross
– A qualidade toma lugar da quantidade – observa Viviane Deslandes, colocando a água do macarrão para ferver.
O educando Kauã ajudou a cortar cebolas e participou de tudo.

Este triálogo foi escutado na hospedaria do Âncora, numa noite da imersão de “Transformação Vivencial”, que as educadoras da Escola Trilhas em Curitiba participaram. Vivenciar 24h de práticas e reflexões é algo que mexe profundamente com os paradigmas.

 

 

Cursos:

 

  • Fazer a Ponte no Brasil

Foi iniciado por meio da união das experiências do professor, consultor e palestrante José Pacheco, dos educadores do Projeto e da coordenação digital do professor Wilson Azevedo Marques. O curso oferece a oportunidade de se conhecer melhor a Escola Projeto Âncora.

É inteiramente online, dura 15 dias úteis, tem 30 horas-aula e promove a interação entre diversas comunidades de aprendizagem virtual e colaborativa. Os integrantes do curso são incluídos via e-mail, com interface web para discussão de ideias.

 

Instituto Singularidades

 

O projeto Âncora e o Instituto Singularidades ofereceram, em uma parceria inédita, no primeiro semestre de 2017, o curso de extensão “Autonomia na Construção da Prática Educativa”. Nessa parceria, o Projeto Âncora, como um espaço de aprendizagem, prática e de multiplicação da cidadania no âmbito da Educação Básica, e o Instituto Singularidades, que tem como valor a  ressignificação  do papel essencial do professor e da educação na sociedade, se uniram para discutir o papel da autonomia na educação.

 

 

 

Olho:

Transforme a si mesmo e assim transforme a educação

 

 

 

 

 

 

Destaques na nave

 

Fazer “Com” e não fazer “Para” é um dos princípios da aprendizagem sistêmica que nos propomos em nossas abordagens educacionais. Ao longo da história, alguns formatos e experiências se destacaram por sua capacidade de mobilizar parcerias relevantes e propor novos modos de acessar, interpretar e aplicar conhecimento, sendo os educadores mediadores deste conhecimento.

 

 

 

 

100 melhores ONG´s

 

Nós e outras 99 organizações foram reconhecidas como as melhores ONGs do Brasil, nas áreas de transparência, eficiência e gestão. Trata-se da primeira edição da #melhoresOngs, com 1560 instituições inscritas. Uma iniciativa do Instituto Doar e da Revista Época. A premiação já nasce com êxito. São mais de 300 mil ONGs no Brasil. Entre associações de caridade, organizações da sociedade civil, institutos e fundações filantrópicas, estar entre as 100 é um reconhecimento que nos fortalece no trabalho de Educação a serviço do desenvolvimento social: Saiba mais

 

Entre as 178 mapeadas e reconhecidas pelo MEC

 

A Escola formal e nada tradicional Projeto Âncora foi reconhecida pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura) como um dos 178 projetos de Educação inovadores e criativos no Brasil, mapeados em 2015.

Alguns processos sociais que se acentuaram nas últimas décadas implicam necessidade de mudanças significativas no campo da educação. O primeiro destes processos é o desenvolvimento de novas tecnologias de comunicação que facilitam o autoaprendizado, a formação de comunidades de aprendizagem e de redes e a produção de conhecimento em diversos suportes a custos muito baixos. As pessoas de todas as idades, inclusive as crianças, têm hoje condições de realizar pesquisas sobre assuntos de seu interesse, discuti-los com outros mais velhos, mais jovens ou da mesma idade, pessoas que vivem próximas ou do outro lado do planeta. As pessoas também podem – e frequentemente o fazem – produzir artigos, revistas, sites, vídeos, fotografias, filmes, programas de rádio com bastante facilidade e atingir um público relativamente amplo. A forma do aluno passivo, sentado, durante horas por dia, em uma carteira, apenas recebendo aulas, não dialoga com esta nova realidade do campo da comunicação. Trecho retirado do site sobre a iniciativa seleção MEC.

 

 

Rumo à NASA

 

A Missão Garatéa é uma iniciativa de incentivo à ciência em parceria com a NASA (agência espacial dos E.U.A), por meio do “Student Spaceflight Experiments Program” (SSEP), iniciativa do governo americano que estimula experimentos educacionais sobre o tema.

 

Foram convidados 15 estudantes do Âncora, 15 de uma escola pública e 300 de uma escola particular. 75 projetos foram desenvolvidos pelos alunos, 10 foram selecionados por uma banca de avaliadores externos e pesquisadores (estávamos em 6 deles) e três foram enviados à NASA, que finalmente elegeu o projeto “Cimento Espacial”, lançado ao espaço pela Estação Espacial Internacional.

 

Sofia Reis (12 anos), nossa representante, fez parte do grupo eleito e apresentou o projeto no congresso realizado no Museu Smithsonian, em Washington DC, nos dias 28 e 29 de junho de 2018. Estavam reunidos e expostos todos os projetos selecionados dos três países participantes: Canadá, EUA e o Brasil. Essa foi a primeira participação do nosso país no programa do Centro Nacional para Educação Científica para Terra e Espaço (NCESSE). Após 6 meses de muito esforço para captação de recursos financeiros, e graças à visionária Fundação Salvador Arena, a Meissen Produtos Naturais e as centenas de pessoas que compraram brigadeiros, sorvetes, camisetas e cadernos artesanais,  conseguimos viabilizar esta viagem. O engajamento de todos foi fundamental para realizarmos este feito. Só temos a agradecer!

 

 

Destino: Educação – Escolas Inovadoras

O Projeto Âncora foi reportado na série documental da Tv Futura, Destino: Educação-Escolas inovadoras, como uma das doze instituições de ensino espalhadas pelo mundo e inseridas na reinvenção das práticas pedagógicas. O Projeto Âncora foi a pauta de estreia da série que foi ao ar em 2016. Veja na íntegra: Destino: Educação – Escolas Inovadoras. 

Os episódios ganharam uma versão escrita livre para fazer download: Publicação Escolas inovadoras

 

InnoveEdu: Escolas “alterativas pelo mundo”

 

Somos uma das iniciativas mapeadas numa lista de 96 experiências educacionais pelo mundo que apresentam soluções para demandas do século 21, com curadoria em 4 países. Porvir (Brasil), Edsurge (Estados Unidos), Innovation Unit (Reino Unido) e WISE (Catar). Para saber mais acesse: http://innoveedu.org/

 

 

 

Nave aporta em Portugal – Projeto Intercâmbio

 

O Projeto Âncora realizou seu primeiro Intercâmbio, concretizado em setembro de 2017. Dezoito pessoas, entre educandos, pais e educadores tiveram a oportunidade de partir para uma comunidade sustentável no sul de Portugal, que é a Tamera. Eles ficaram três semanas no velho continente desfrutando de experiências que a comunidade fornecia, como práticas sustentáveis, rodas de conversa e aprendizados do respeito às relações humanas.

A jornada começou numa outra viagem. “Parece que foi ontem, mas foi em setembro de 2015 que recebemos pela primeira vez o contato dos amigos da Escola da Esperança / Tamera (Portugal), dizendo que gostariam de conhecer uma escola diferente como o Âncora, para transformar sua própria escola, e que, portanto, viriam ao Brasil. Ao mesmo tempo, nós aqui no Âncora, ficamos felizes e “surpresos” com a coincidência, pois estávamos justamente num momento de listar todas as vontades da nossa escola dos sonhos (nós, educadores, e as 20 crianças que então compunham o Núcleo do Desenvolvimento), e um desses sonhos era o de realizar um intercâmbio! Pronto: a partir daí, estava estabelecido um laço afetivo e um projeto que não sabíamos ainda quão profundo, intenso e rico seria… Era o início de despretensiosas amizades, uma união que se fez a partir da vontade comum de contribuir na construção de um mundo mais justo por meio da educação.” Texto de Caroline Florêncio, ex-educadora e parceira do Projeto.

Os jovens da Escola da Esperança conseguiram vir realizar a primeira parte do intercâmbio, em fevereiro de 2016, alimentando nosso sonho de também ir até eles. Foram dois anos de captação de recursos, vitórias e desafios, mas deu certo e os objetivos pedagógicos foram consolidados:

  • aprender sobre sustentabilidade para aplicar no Brasil;

 

  • conhecer e desenvolver relações humanas afetivas;

 

  • conhecer a Escola da Ponte;

 

  • finalizar o intercâmbio.

 

O grupo viajou à Europa dia 29 de setembro, e retornou ao Brasil em 21 de outubro de 2017, com a certeza de quando um grupo sonha junto e se organiza, nada é impossível!

 

Pomba da Paz pousou no Âncora

 

Em 2008, a Declaração Universal dos Direitos Humanos fazia 60 anos e em comemoração a esta data, o artista plástico alemão Richard Hillinger criou 30 pombas de bronze, em tamanho real, para chamar atenção dos 30 artigos da Declaração dos Direitos Humanos. Cada pomba foi presenteada para uma personalidade e/ou instituição que prestasse serviços de Cultura de Paz à humanidade.

As pombas já passaram nas mãos de Mikhail Gorbachev, Barack Obama, Papa Bento XVI, Angela Merkel, Dalai Lama, Parlamento Europeu, Anistia Internacional, Desmond Tutu, entre outras personalidades.

 

Pela primeira vez no Brasil, a Pomba da Paz para Educação dos Direitos Humanos chegou ao Brasil e aportou no Projeto Âncora, presenteada pela Escola da Esperança em Portugal, integrada à comunidade de Tamera. A Pomba ainda está conosco a procura de um projeto para presentear com esta relíquia! Celebremos!

 

Grupo de Responsabilidade da Alimentação

Um dos dispositivos de aprendizagem do Âncora é o Grupo de Responsabilidade. Em 2017 o GR da Horta e o GR do Lanche se uniram e iniciaram mudanças estruturais, saudáveis, saborosas e autônomas na alimentação da instituição. Os cardápios são desenvolvidos de forma participativa e dinâmica, o uso integral dos alimentos, evitando o desperdício, a conscientização do atual sistema alimentar em sua integralidade, sobretudo em relação a questão social e ambiental da produção, o cultivo de temperos, hortaliças, leguminosas no território Âncora, a alimentação vegetariana, por meio da “segunda sem carne” e da opção por receitas vegetarianas em todas as refeições são algumas ações em andamento que revelam números relevantes neste processo iniciado em 2014:

  • diminuição do açúcar em 80%;
  • 10% das crianças consumiam hortaliças; atualmente, 80% das crianças consomem;
  • diminuímos em 50% o consumo de carne;
  • 10% das hortaliças consumidas são produzidos no Âncora;
  • um grupo de estudos de ervas medicinais foi fundado;
  • o surgimento de uma dezena de parcerias ligadas à alimentação orgânica, sementes crioulas, pequenos produtores, ecovilas e um restaurante vegetariano.

Escolhas alimentares nutritivas a partir do aprendizado das propriedades nutricionais dos alimentos e suas funções para o organismo, na construção de uma nova cultura alimentar que vai além da perspectiva da saúde. Ao incentivar a mudança e plantar o próprio alimento, há um aprendizado de cunho socioambiental e político. Não poderíamos falar de desconstrução da educação tradicional sem trabalhar a nossa própria alimentação diária.

 

 

Cantinho do Desapego

 

O cantinho do desapego é um espaço de economia solidária que estabelece fisicamente um canal de doações e trocas. O espaço permite aos alunos, educadores, visitantes e comunidade deixar pertences que não utilizam mais, podendo também pegar algo que foi doado e que lhes interesse.

 

Os objetos ali deixados devem estar em perfeitas condições, e, para todos aqueles que quiserem pegar algum item, deve-se deixar um pertence. Assim, a ideia é unir e solucionar as necessidades do projeto e da comunidade de forma colaborativa e engajada.

 

A construção do novo passa pela economia e pela mudança de hábitos.

 

Seres políticos

 

Nas paralisações contra a Reforma Trabalhista os educadores do Projeto Âncora também pararam e abriram espaço à comunidade vir conversar sobre a situação do país. Também acompanhamos os estudantes em protestos de rua, inclusive três estudantes captaram recursos e foram para Brasília no protesto contra a “reforma” do Ensino Médio. Aqui também há estudantes que participam regularmente das reuniões do plano diretor e de sessões na câmara dos vereadores de Cotia acompanhados por educadores.

O que buscamos fazer é algo intimamente ligado à formação da consciência, com vistas à vivência da democracia, incentivando a responsabilidade social, para que possam ser capazes de conscientemente fazer opções políticas e participar como cidadãos construtores da História.

 

 

 

 

Ôkupa Âncora

 

O movimento ÔKupa Âncora nasceu na comunidade com a intenção de ocupar o espaço e os equipamentos do Âncora, fora do período em que atende as crianças. Se encontram todas as semanas e hoje há oficineiros de yoga, música, brincadeiras com bebês, contação de histórias, circo, fantoches e teatro. Este movimento fomenta a arte, a convivência familiar e a economia criativa.

O Ôkupa Âncora surge em 2015 inspirado por movimentos de participação social, política e artística da comunidade, em intervenções e ações locais, dentro de um contexto global de cultura de paz. Uma das inspirações foi o movimento “Occupy Wall Street”, que promove resistência desde  2011 nos EUA, sem liderança, com pessoas de muitas cores, gêneros e opiniões políticas, buscando questionar a desigualdade de renda global.

 

http://www.ie.ufrj.br/images/images/pos-graducao/pped/dissertacoes_e_teses/2017/davi_oliveira_sampaio__b7690.pdf

 

Ensino Médio

 

Em todo e qualquer núcleo do Projeto Âncora começamos com uma escuta atenta. Aprender a escutar o outro, incentivar que todos tenham voz, admirar, além de respeitar as diferenças e proporcionar um ambiente de confiança para compartilhamento de saberes, dons, sonhos e inquietações. Com isso, buscamos facilitar para que o outro se investigue e busque suas vocações. Entendemos que para consolidarmos o Ensino Médio foi importante ampliar esta escuta para entender o que a comunidade escolar esperava deste novo passo, perguntar aos educandos que passaram por aqui e estavam no Ensino Médio de outras escolas e aos que estariam no ano seguinte, escutamos as famílias e outras instituições de ensino e todos nos sinalizaram que deveríamos manter o que já somos. Não haveria salas específicas e nem dispositivos próprios. Quem chegasse para o Ensino Médio passaria pelos núcleos de Iniciação e Desenvolvimento até ter autonomia para chegar no Aprofundamento. Aprendendo, assim, a participar das decisões e ser agente pró ativo destas mudanças. Realizamos uma reflexão junto à criança, explicando que, apesar de podermos escolher quando e como aprender determinado assunto, temos um currículo a ser cumprido ao fim de 9 anos. Mas, como nossa relação com as crianças é mais próxima do que aquela que se pode construir em uma escola tradicional, buscamos entender a raiz da recusa e procuramos alternativas para quebrar essa barreira.

 

depoimento Isabela Giannuzzi, 15 anos

“Foi muito bom ter saído do Âncora e ir para uma escola pública. Ao me deparar com uma realidade diferente do que eu vivia, vi que o ensino vai muito além do conteúdo. Os alunos veem o professor como a única ferramenta de aprendizagem e eu aprendi que a vida oferece inúmeras ferramentas de aprendizagem. No Âncora aprendi a correr atrás, a pensar no coletivo e a criar a minha própria opinião.”

 

 

 

NÓS FOMOS O PRÓPRIO PRÊMIO!
A Prefeitura de Massaranduba (SC), por meio da Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Turismo, realizou o Seminário de Socialização dos “Projetos Destaques 2017”. Na categoria gestores, Débora Petri Fenrich, do CEI Ivete Spézia Schmitt, venceram com o projeto “Espaços: possibilidades de transformação”. Como prêmio elas receberão uma visita ao Âncora. http://www.jdv.com.br/…/educacao-premia-os-projetos-destaqu….

 

ATELIER EM TODOS OS LUGARES

O Grupo de Responsabilidade do Atelier realiza este projeto itinerante em que visita variados ateliers de arte, exposições e espaços culturais, para que possam ampliar o repertório artístico, criando uma consciência crítica na construção do conhecimento. É a Comunidade de Aprendizagem Âncora tomando conta do território da cidade como espaço privilegiado de Educação.

 

Com licença Paternidade e Maternidade

Para transformar a Educação, precisamos nos transformar, inclusive como forma de gestão. Uma evidência da mudança de paradigmas que praticamos são as licenças maternidade e paternidade. A educadora Thais de Novaes pôde cuidar integralmente da sua filha por 7 meses e voltar à rotina em um ano; já, Anderson Portilho, também educador, ganhou 4 meses de licença paternidade para que seu segundo filho recém-nascido e sua esposa tivessem este amparo. Para que esta qualidade de vida pudesse ser promovida, a equipe “comprou” esta responsabilidade e dividiu os trabalhos dos dois profissionais enquanto estavam em licença.

 

 

Na universidade
Davi Sampaio, do Instituto de Economia / UFRJ, programa de pós-graduação em políticas públicas, estratégias e desenvolvimento, fez vivência de uma semana e depois mais um mês, para elaborar sua dissertação “Uma escola na economia do conhecimento e aprendizado: análise do Projeto Âncora sob a perspectiva de mudança de paradigma tecnoeconômico.” http://projetoancorablog.blogspot.com.br/…/carta-do-mes-de-…

Cerca de 15 trabalhos acadêmicos sobre o Âncora foram realizados na área da pedagogia, arquitetura, relações públicas, design, economia e psicologia nos últimos dois anos.

Jovens palestrantes

O GR da Biblioteca e CIELO

O Projeto Âncora e o Time do Bem (grupo de voluntários) da Cielo se reuniram no final de 2017, para realizar uma importante e necessária ação: o primeiro mutirão para catalogação virtual dos livros. Em um sábado ensolarado, recebemos no Projeto Âncora em torno de 50 voluntários do Time do Bem que, sob as orientações dos educandos e educadores do Âncora, realizaram a catalogação de cerca de 600 livros. Essa ação faz parte das iniciativas dos educandos e educandas do G.R. da Biblioteca para melhorar a pesquisa em nossa escola. A catalogação permite com que as crianças, a partir de qualquer computador da escola, acessem o sistema da catalogação e possam encontrar livros para suas pesquisas a partir de palavras-chave. Tecnologia, solidariedade e parceria!

 

Catalisador e Cultura Maker

O Instituto Catalisador, por meio do Programaê (Fundação Lemann e Fundação Vivo Telefônica) participou do Projeto MakersEduca, desenvolvendo um programa conosco por um ano. Em janeiro de 2016, participaram do Lemann Creative Learning Institute no MIT Media Lab, e no decorrer do semestre visitaram museus com as crianças, fizeram maquete em 3d no Mundo Maker, revisitaram proporções, cálculos e ângulos, reaproveitaram material histórico do Âncora (brinca-corpos) e concretizaram um feito a partir das necessidades e desejos das crianças: com a aprendizagem criativa mão na massa, facilitaram o protagonismo infantil no desenvolvimento do brinquedão do nosso parquinho.

 

 

Time do Citi

 

“Todo mundo aprende com todo mundo.” Neste espírito de construção de time e atuação do coletivo por meio de jogos colaborativos, cerca de 90 colaboradores do Citi vieram ao Âncora, e depois o Âncora foi ao Citi. Foi um ano de construção coletiva junto ao Citiesperança até que esta troca pudesse ser concluída. Troca intensa e aprendizado múltiplo, onde os funcionários do banco puderam vivenciar, escutar e brincar com educadores e educandos de nossa instituição. Posteriormente, a nossa turma é que foi conhecer o funcionamento de um banco. Um dos gerentes observa: “A gente vem achando que vai ajudar e acabamos sendo ajudados”.

 

21 em União

No dia 21 de setembro de 2017, os alunos de todas as épocas do nosso Circo escola apresentaram o espetáculo “21 em União”. Foi uma ideia de ex-alunos no sentido de angariar fundos para o Projeto Intercâmbio para Tamera.  Dirigido pela artista circense Penha Cerícola Vaz, que trabalha no Âncora há 23 anos, contou com apoio técnico da R1 soluções audiovisuais.

 

 

Empresas Parceiras ou

Como a nave se mantém?

Somos uma associação que acredita que a Educação é a forma mais coerente de Desenvolvimento Social. A Escola Projeto Âncora é particular e gratuita. Depende de incentivos fiscais e doações para se manter. Este espaço serve para declarar o nosso “muito obrigado” a todas as empresas colaborativas que investiram, de 2014 a 2017, dinheiro, tempo, talento, recursos materiais e dedicação, acreditando em nossa causa e em nosso trabalho. As pessoas físicas são igualmente importantes e estão contempladas em nosso site.

Patrocínios

Reservar espaço para logos:

Cielo, Blau Farmacêutica, Engakja Brasil, Highline, Instituto Helena Florisbal, Instituto PHI, Natura, Petrobrás

 

Parceiros pessoa jurídica

  • ABAV
  • Almirante Multicomunicação Integrada
  • Alvo Arquitetura
  • Bom gelo
  • Cabernet agency
  • Caiena
  • Canal Futura
  • CH Travel | TouchBrazil
  • Cia Grande Urso Navegante
  • Cia Marapuanesca
  • CiaK
  • Circo Zanni
  • Citiesperança
  • Citibank
  • CMDCA
  • Darandina
  • Day Brasil
  • Electi
  • Escola de Marketing Industrial
  • Escola Micael
  • Estúdio Granja Viana
  • ETEC Cotia
  • Fotógrafos: Ana Alcantara, Embrafoto, Rafael Pereira, Lucas Lima,  Sebastian Lindstrom and partners – What Took You So Long
  • Fundação Brasil 2000
  • GE
  • Grupo Dória Associados
  • Grupo TX
  • Hortomix
  • Indaial Papel
  • Inspirative Cine e foto
  • Kim Pães
  • KPMJ
  • La Mínima
  • Lira Filmes
  • Lobo & de Rizzo
  • Loungerie
  • Margraph
  • Marques Iluminação
  • Magnetech produtos criativos
  • Mercado Note Book
  • Mundo Maker
  • Natal do Bem
  • Neo Print
  • A. Produtores Associados Marcas e Patentes Ltda
  • Padaria Gouveia
  • Panrotas
  • PEDAL
  • Prata Design
  • Prefeitura de Cotia
  • Price
  • Raquel Natação
  • Revista Circuito
  • Reuna Arquitetos Associados
  • R1 Soluções Audio Visuais
  • Saint Luiger
  • Siqueira Castro advogados
  • Site da Granja
  • SKAL
  • T4F
  • TechSoup
  • Tirolez
  • Transitions Towns Brasil/ Granja Viana
  • Troiano
  • Umbigo do Mundo

Medição de impacto

 

Entre 2012 e 2017

  • Fomos citados mais de 5 mil vezes em mídias sociais
  • 280 matérias em blogs
  • 325 em mídia impressa
  • Objeto de cerca de 30 trabalhos acadêmicos
  • Pautados em 21 programas de TV.
  • 000 pessoas nos visitaram
  • 60 instituições fizeram imersão na entidade, no programa de “Transformação Vivencial”.
  • Curso on line atingiu 2000 inscrições
  • Fomos reportados no documentário Quando sinto que já sei(2014) com 638.736 views.
  • Fomos o episódio de abertura da série internacional Destino: Educação – Escolas Inovadoras(2016) com 70.834 views.
  • Estamos entre as 178 escolas inovadoras e criativas mapeadas pelo MEC
  • Estamos entre as 100 melhores ONGs do Brasil conforme a Revista Época e Instituto Doar.

 

BALANÇO FINANCEIRO
Doação Pessoas Físicas e Jurídicas 1.208.623,15
Parceria Órgãos Públicos 415.428,29
Transformação Vivencial e Visitas 148.141,81
Cursos, Palestras, Consultoria 60.221,31
1.832.414,56
Despesas 2016
Pessoal 1.477.785,91
Locação 341.496,00
Alimentação 107.834,04
Prestação Serviço 118.017,59
Diversas 137.601,98
2.182.735,52
Resultado -350.320,96
Doações 2017
Doação Pessoas Físicas e Jurídicas 781.704,47
Parceria Órgãos Públicos 2.242.324,52
Transformação Vivencial e Visitas 196.718,76
Cursos, Palestas, Consultoria 69.950,83
3.290.698,58
Despesas 2017
Pessoal 1.664.821,32
Locação 341.496,00
Alimentação 80.306,52
Prestação Serviço 114.971,02
Diversas 162.005,20
2.363.600,06
Resultado 927.098,52

 

Embarque e Colabore

Você pode contribuir para que o Projeto Âncora continue em expansão de diversas formas

Doações:

Incentive um educando: O Projeto Âncora investe em cada educando aproximadamente R$1.000 por mês. Um associado mensal contribuindo com este valor para a formação integral de uma criança, garantindo aprendizagem multidisciplinar, cidadania ativa, 3 refeições por dia, oficinas artísticas e atividade física.

Contribuição solidária: Com R$50,00 mensais você se torna um contribuinte mantenedor do Projeto Âncora.

Dados para depósito:

Banco Itaú
Agência: 3218
Conta Corrente:00970-6

Banco Bradesco
Agência: 2384
Conta Corrente: 5239-6

Imposto de renda:

Este repasse é fundamental para que o Projeto Âncora continue a sua missão de Educação a serviço da transformação social.

Por meio do Incentivo Fiscal, pessoas físicas podem doar até 6% do imposto de renda devido, ou 1% no caso de pessoas jurídicas. Empresas que têm como regime de tributação o lucro real também podem optar pela doação de até 2% do lucro operacional, que pode ser declarado como despesa operacional.

Veja o passo a passo da doação aqui nesta cartilha.

SUA NOTA FISCAL VALE UMA NOTA

O Programa Nota Fiscal Paulista, do governo do estado de São Paulo, prevê a devolução de parte do ICMS recolhido no ato da compra por meio de descontos ou créditos. Uma das opções do consumidor, pessoa física ou jurídica, é doar seus créditos para uma entidade social, como o Projeto Âncora.

O governo do estado modificou o sistema de doação de notas, é necessário baixar o aplicativo em seu smartphone e direcionar para o Âncora ou também baixar em seu computador. Primeiro se faz um cadastro no sistema de nota fiscal. Além do CPF e dados completos de endereço, eles solicitam o número do título de eleitor e número do RENAVAN, se em seu CPF constar algum veículo.

1 – Acesse o link: nfp.fazenda.gov.br

2 – Selecione a opção “Acesso ao Sistema”

3 – Escolha a opção – “Consumidor” e digite seu – “CPF / Senha” e clique em – “Acessar” (caso não tenha cadastro faça seu cadastro em “cadastro Pessoa Física”).

4 – Acesse o menu  “Entidade”  “Doação de Notas” – “Mês e ano da compra” – “Nova doação”

5 – Se o Cupom Fiscal tiver o código de barras utilize a “chave de acesso’ e digite os 44 dígitos, caso contrário digite o nº do CNPJ – Tipo de documento (cupom ou nota fiscal) – Data de emissão do Cupom – COO – Valor total do documento – Escolha a opção por CNPJ e digite: 00.860.895/0001-34(não digite ponto e nem barra) e clique em – Registrar doação.

Parece complicado, mas não é!

 

Está em dúvida de como ajudar? Quer se tornar um mobilizador de recursos para o Projeto Âncora? Está com dificuldades em direcionar seu imposto de renda para nós? Envie um e – mail para suzana@projetoancora.org.br e teremos imenso prazer em auxiliar.

 

Voluntariado

 

Uma maneira de integrar a nossa nave com potência e solidariedade é contribuir com voluntariado. Para que conseguíssemos atender tanto a necessidade da ONG e também as possibilidades dos voluntários criamos a

CRAVO (Comissão de Recepção e Acolhimento de Voluntários e Oficinas)

 

A CRAVO, que tem a participação de educadores e voluntários numa relação de troca coerente e de um processo de vivência. Os voluntários adentram nossas práticas, adequando suas possibilidades e horários, sempre visando a cultura colaborativa dentro da instituição.

Quer se engajar? Envie um e mail para cravo@projetoancora.org.br

 

Diretoria e Conselho

Nossos diretores e conselheiros são também voluntários. Veja só o nosso time

Diretoria

Ana Letícia da Silva Maciel – Presidente

Walter Teixeira

Fabio Zsigmond

Celso Sekiguchi

Vinicius Leonardo Luna

 Conselho Fiscal

Fabio Rothschild Iguelka – Presidente

Luiz Eduardo Do Amaral Cardia

Roberto William Schur

Conselho Consultivo

Alessandra Santos Alves Ferreira

Alexandre Ferreira da Silva

Anna Beatriz Cattoni

Ana Elisa Siqueira

André Monteiro Alckmin – Presidente

Angelica Bonfiglioli Lopes

Anisor José Rodrigues

Antônio Carlos de Melo Sá

Aristides de La Plata Cury

César Righetti

Claudio João Paulo Saltini

Clodoaldo Ferreira da Silva

Daniel Burd

Didiana Prata de Lima Barbosa

Edinaldo Moreira Oliveira

Eduardo Faria de Carvalho

Fernando de Almeida Nobre

Fernando Furuiti

Gabriel Mario Rodrigues

George Ricardo Stein

Isabela Maria Gomez de Menezes

Joandre Antônio Ferraz

João Doria Jr

Jose Carlos Teixeira Moreira

José Fernando Monteiro Alves

José Francisco A. Pacheco

José Orlando A. Arrochela Lobo

Juarez Cintra Pereira Filho

Juliane Azevedo da Silva

Lee Swain

Leonardo Lima

Luiz Fernando Furlan

Mara Nascimento Nogueira

Marciano Gianerini Freire

Marcio Andrade Ferreira de Carvalho

Marcos Arbaitman

Maria Diva Lopes Pereira Moreira

Marina Pechlivanis

Mirian Amorim Teixeira

Neto Galizi

Norma Souza Alcantara

Paulo Roberto Pereira

Paulo Roberto Sá Grise

Pedro Cruz Villares

Raquel Regina Pereira Stoiani

Regina Céli de Albuquerque Machado Steurer

Rita Morais Prata de Lima Barbosa

Roberto Adler

Rosamaria de Sousa Pacheco Junqueira

Rozana Aparecida Moro

Sebastião Antonio Luna Filho

Sílvia Pompéia

Thais Panini Pacheco

Thereza Franco

Ulrich Friedrich Mielenhausen

Valter Lulei

Valter Stoiani

 

Depoimentos:

A equipe do Projeto Âncora!

Gostaria de expressar a minha gratidão pelos momentos que vivi hoje em companhia da Nicoli, Alana e Edilene. Nenhum livro que li foi capaz de definir de modo tão claro o significado de protagonismo infantil como a experiência que tive com essas meninas, de 7 e 10 anos. Se o intuito do projeto é nos inspirar, tenham a certeza de que estão cumprindo muito bem esta tarefa!

A Nicoli ao perceber que o grupo se dispersava um pouco, dizia ” cuidado para não se perder”, “estão todos aqui”. Uma delicadeza no gesto, no olhar, no cuidado com as palavras… Fiquei realmente impressionada ao ver a potência destas crianças e a riqueza de conhecimentos que possuem. À Edilene, meu muito obrigada por compartilhar de maneira tão generosa seus conhecimentos, suas conquistas e também angústias.

 

Gratidão !!!

Atenciosamente,

Marcia Bueno

 

“A Alegria não tira nossa seriedade” Palhaço Magnólio (in memorian)

 

Pessoal assim vocês aumentam mais ainda meu conceito sobre o Projeto e os envolvidos.

Gostei da visita, gostei da estrutura, gostei da proposta, gostei da roda de conversa… E ainda por cima, são atenciosos e rápidos!

A cada dia gosto mais de vocês.

Obrigado por tudo.

 

ATT:

 

 

Marcar como concluído

17:32

Chuvas de bênçãos a este projeto

humano

artistico

livre

e empreendedor…

isso cai por terra toda forma fechada de ensinar…

abre asas e educa nossos pequenos a serem grandes qdo forem grandes…

Aplausos para a equipe de gestores e colaboradores

Aplausos!!!!!

IveteF. Rocha

 

“Eu estudo na melhor escola do mundo” Bruno Panini (12 anos)

Também o link na íntegra:

Relatório 2016/2017